Olhar Jurídico

Sábado, 04 de dezembro de 2021

Notícias | Eleitoral

sessão virtual

Supremo marca julgamento de recurso contra decisão do STF que negou rediscutir cassação de Selma

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Supremo marca julgamento de recurso contra decisão do STF que negou rediscutir cassação de Selma
Primeira Turma marcou para o dia 22 de outubro julgamento de recurso do produtor rural Gilberto Possamai em face de decisão da ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), que negou provimento a recurso extraordinário com agravo, mantendo a decisão de cassação de mandato de senadora exercido por Selma Arruda, juíza aposentada. 

Leia também
Suplente recorre contra decisão do STF que negou rediscutir cassação de Selma

 
O Julgamento, em sessão virtual, está marcado para ocorrer entre os dias 22 de outubro e três de novembro. Recurso de Possamai sustenta que não foi comprovada a sua responsabilidade pela prática de atos relacionados a abuso de poder econômico e requer, ao cabo, a anulação do acórdão recorrido a fim de que os autos retornem à Corte de origem para rejulgamento. 

Selma Arruda, seu 1º suplente, Gilberto Possamai, e a 2ª suplente da chapa, Clerie Mendes, foram cassados pela prática de abuso de poder econômico e arrecadação ilícita de recursos nas Eleições Gerais de 2018. 

Além de cassar os três mandatos, o TSE declarou a inelegibilidade de Selma Arruda e de Gilberto Possamai pelo prazo de oito anos. No entendimento do Plenário do TSE, apenas a 2ª suplente da chapa, Clerie Mendes, não deve ser considerada inelegível, por não ter participação direta ou indireta nos ilícitos eleitorais apurados.

No julgamento, a Justiça constatou que Selma Arruda e Gilberto Possamai omitiram fundos à Justiça Eleitoral, que foram aplicados, inclusive, no pagamento de despesas de campanha em período pré-eleitoral. Esses valores representariam 72% do montante arrecadado pela então candidata, o que caracterizaria o abuso do poder econômico e o uso de caixa dois.
 
Entre as irregularidades apontadas, o Tribunal destacou que a senadora eleita teria antecipado a corrida eleitoral ao realizar nítidas despesas de campanha, como a contratação de empresas de pesquisa e de marketing – para a produção de vídeo, de diversos jingles de rádio e de fotos da candidata, entre outras peças – em período de pré-campanha eleitoral, o que a legislação proíbe. 
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet