Olhar Jurídico

Sábado, 04 de dezembro de 2021

Notícias | Civil

conselheiro

De volta ao TCE, Sérgio Ricardo pede adiamento de audiência sobre compra de vaga

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

De volta ao TCE, Sérgio Ricardo pede adiamento de audiência sobre compra de vaga
De volta ao cargo de conselheiro do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT), Sérgio Ricardo de Almeida pediu adiamento de audiência em ação sobre suposta compra de sua vaga.

Leia também 
Magistrado marca audiência para ouvir Silval e Riva em ação sobre compra de vaga no TCE

 
Audiência foi inicialmente designada pelo juiz Bruno D’Oliveira, da vara Especializada em Ação Cível Pública, para o dia 29 de outubro. Na ocasião, há previsão da oitiva dos delatores Silval Barbosa e José Riva, além do interrogatório de Sérgio Ricardo.
 
Ao pedir adiamento, Sérgio Ricardo argumenta que não há tempo suficiente para análise de novos documentos emprestados pela Justiça Federal. O prazo curto impediria o efetivo exercício do direito de defesa e contraditório.
 
“Por isso, ao tempo que reitera a necessidade de concessão do prazo de 15 dias úteis para manifestação sobre os documentos juntados, requer seja adiada a audiência de instrução para data posterior ao término do referido prazo”, argumentou defesa.
 
Subsidiariamente, caso não seja acolhido o pedido de adiamento, Sérgio Ricardo requer que seja permitida a proposição de novos meios de prova em contraposição aos novos elementos documentais acostados aos autos, além da realização de nova audiência para eventual novo depoimento pessoal do requerido.
 
A ação, por ato de Improbidade Administrativa, foi ajuizada pelo Ministério Público de Mato Grosso (MPE) em face de Blairo Maggi, Silval da Cunha Barbosa, Alencar Soares Filho, Eder Moraes, Junior Mendonça, Humberto Bosaipo, José Riva, Leandro Valoes Soares e Sergio Ricardo de Almeida.
 
Na ação, o Ministério Público descreve a atuação de uma organização criminosa instalada no alto escalão dos poderes Executivo e Legislativo de Mato Grosso e que é objeto de investigações iniciadas em 2014, na Operação Ararath.
 
Entre as irregularidades já identificadas está a negociação de cadeiras no Tribunal de Contas do Estado.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet