Olhar Jurídico

Sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

Notícias | Geral

arquivamento negado

MPF mantém investigação contra Filadelfo dos Reis baseada em apreensão na Operação Lava-Jato

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

MPF mantém investigação contra Filadelfo dos Reis baseada em apreensão na Operação Lava-Jato
O Ministério Público Federal (MPF) em Mato Grosso decidiu não homologar arquivamento de investigação envolvendo o empresário do ramo da mineração, Filadelfo dos Reis Dias, nome citado na Operação Lava-Jato. Informação consta no diário oficial do órgão, publicado na quarta-feira (27).

Leia também 
Sérgio Ricardo consegue adiar audiência sobre compra de vaga no TCE

 
Segundo informações da publicação, notícia de fato autuada a partir de Relatório de Inteligência Financeira apontou a possível prática do crime de lavagem de capitais por empresa de engenharia e pessoas físicas, entre elas Filadelfo.
 
Segundo consta, foi ventilada a hipótese de os representados terem praticado, como infração antecedente à lavagem de capitais, possível crime contra a ordem tributária e crime contra a administração da justiça, uma vez que, conforme consta do relatório, “valores transacionados entre participantes têm supostamente o objetivo de evitar a retenção dos recursos devido aos bloqueios judiciais existentes”.
 
Por fim, consta também a informação de que a Polícia Federal teria cumprido mandados de busca e apreensão em uma empresa frigorífica para coleta de provas relacionadas a prisão do pecuarista José Carlos Bumlai, em Brasília. A ação integrou a 21ª fase Operação Lava Jato, que investiga esquema de desvio e lavagem de dinheiro envolvendo a Petrobras. O nome de Filadelfo dos Reis Dias teria sido encontrado casualmente em uma lista.
 
O procurador da República oficiante promoveu o arquivamento dos autos, ressaltando, em síntese, que “não há nos autos suporte probatório mínimo que demonstre ou suscite a prática de crime federal antecedente e, de igual modo, da prática do delito de lavagem de dinheiro”.
 
O arquivamento, porém, não foi homologado. Julgamento colegiado considerou que embora não aponte de forma concreta atos que, de imediato, possam indicar a prática de crime, não foram realizadas diligências capazes de elucidar os fatos.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet