Olhar Jurídico

Quarta-feira, 19 de janeiro de 2022

Notícias | Geral

Bioma do Pantanal

PGJ diz que instituições falham ao permitir desenvolvimento desenfreado

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

PGJ diz que instituições falham ao permitir desenvolvimento desenfreado
“Infelizmente nós, e digo nós me referindo à sociedade, ao sistema de Justiça, ao Executivo, ao Poder Legislativo, de alguma forma falhamos, de forma global, ao promover um desenvolvimento desenfreado, esquizofrênico, um crescimento sem sustentabilidade”, afirmou o procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, José Antônio Borges Pereira, em sua fala na abertura da “Conferência Sobre o Estatuto do Bioma do Pantanal Mato-grossense”, que está sendo realizado na Assembleia Legislativa, ao defender a necessidade das instituições e dos cidadãos se conscientizarem da importância de se promover um desenvolvimento sustentável da região, sob pena de se pagar um preço alto do ponto de vista socioambiental.

Leia também 
Justiça determina que empresária do ramo de fomento mercantil pague dívida de R$ 1,8 milhão


O chefe do Ministério Público de Mato Grosso observou que as consequências dessa omissão, de uma forma global, podem ser percebidas com as mudanças climáticas que afetam o mundo todo. No Brasil, lembrou, enquanto na região Sul ocorrem inundações, em outras, como o Centro-Oeste, vive-se uma grande seca, a ponto de ter sido necessário construir poços artesianos ao longo da Rodovia Transpantaneira, no município de Poconé, para dar água aos animais e atender a população local.

José Antônio Borges observou que estudos científicos já demonstraram que os ecossistemas são interligados e qualquer intervenção inadequada em um deles, levará a consequências ambientais em outro. Por isso, entre as propostas a serem defendidas pelo Ministério Público de Mato Grosso ao longo da conferência, com base no conhecimento e atuação dos promotores e procuradores que atuam na área ambiental, está a necessidade de se adotar políticas voltadas não apenas para aquele bioma.

“Falar do Pantanal é falar do Cerrado, que serve de caixa d’água, por isso é importante sua preservação. Aliás, lembro que o Ministério Público de Mato Grosso tem um projeto, premiado pelo Conselho Nacional do Ministério Público, o Água Para o Futuro, que busca identificar e preservar nascentes nos perímetros urbanos. Começou aqui em Cuiabá e já está presente em sete municípios do estado, buscando assegurar água potável para a população”, defendeu o procurador-geral, informando que a instituição que dirige está atuando em conjunto com o MP de Mato Grosso do Sul e o Ministério Público Federal pela preservação do pantanal e no combate aos incêndios florestais e desmatamentos.

Entre as maiores ameaças ao Pantanal Mato-grossense existentes hoje, apontam levantamentos feitos pelo MPMT, estão a construção de drenos profundos em baías e corixos e de micro e pequenas hidrelétricas na região pantaneira e seu entorno, com estudos de impacto ambiental isolados. “São mais de 60 micros e pequenas hidrelétricas construídas no Pantanal. Não adianta cada uma delas fazer seu estudo de impacto sem pensar no global, e isso tem os seus reflexos. Por isso temos que discutir o que fazer para salvar o Pantanal, porque aí estaremos salvando a cultura pantaneira”, concluiu José Antônio Borges Pereira.

  A “Conferência Sobre o Estatuto do Pantanal Mato-grossense”, que foi aberta na noite desta quarta-feira (10) e se estende até a sexta-feira (11), é uma iniciativa conjunta da Assembleia Legislativa, Poder Judiciário e Senado Federal, e tem o objetivo de debater propostas para o desenvolvimento sustentável do bioma pantaneiro e fornecer subsídios que possam aperfeiçoar o Projeto de Lei nº 5.482/2020, de autoria do senador Wellington Fagundes (PL-MT) e que está em tramitação. Instituições públicas e privadas, especialistas, pesquisadores, juristas e representantes de ONGs participam do evento.

A proposta é identificar e debater problemas ambientais que afetam o bioma e propor políticas públicas que assegurem não apenas sua preservação, mas também a melhoria da qualidade de vida da população pantaneira e a preservação da cultura local.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet