Olhar Jurídico

Quarta-feira, 19 de janeiro de 2022

Notícias | Civil

Operação Capistrum

Desembargador corrige informação e explica que ex-chefe de gabinete não descumpriu cautelar

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Desembargador corrige informação e explica que ex-chefe de gabinete não descumpriu cautelar
O desembargador Luiz Ferreira da Silva, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, (TJMT), emitiu nova manifestação, explicando que o ex- chefe de gabinete Antônio Monreal Neto não descumpriu medida cautelar proveniente da Operação Capistrum. Informação foi enviado ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), que examina retirada de tornozeleira eletrônica.

Leia também 
Ex-chefe de gabinete de Emanuel Pinheiro descumpriu cautelar e frequentou Prefeitura, afirma desembargador


Segundo o desembargador, comunicação inicial, sobre descumprimento de cautelar que impedia Monreal de frequentar a prefeitura, possivelmente ocorreu por algum "mal-entendido" ou "interpretação equivocada dos
dados do sistema de monitoramento ou outra razão desconhecida".

O Ministério Público e a Polícia Judiciária Civil, através do Naco (Núcleo de Ações de Competência Originária), deflagraram em 19 de outubro uma operação relacionada a ilícitos no âmbito da Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá.

Houve a decretação de busca e apreensão e sequestro de bens em desfavor do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro e sua esposa, Márcia Aparecida Kuhn Pinheiro, do Chefe de Gabinete, Antônio Monreal Neto, da Secretária Adjunta de Governo e Assuntos Estratégicos, Ivone de Souza e do Ex-Coordenador de Gestão de Pessoas, Ricardo Aparecido Ribeiro, bem como de afastamento da função pública em relação a Emanuel Pinheiro, Antônio Monreal Neto e Ivone de Souza, e prisão temporária (posteriormente substituída por cautelares diversas) de Antônio Monreal Neto.

Além da medida criminal determinada pelo Egrégio Tribunal de Justiça, o Ministério Público propôs, através do Núcleo de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa, ação cível por ato de improbidade administrativa visando a aplicação das sanções da lei de improbidade.
 
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet