Olhar Jurídico

Segunda-feira, 04 de julho de 2022

Notícias | Eleitoral

desfiliação

Nacional do Pros afirma que Vidal induziu legenda ao erro, aponta ineficácia de carta de anuência e pede vaga na Câmara

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Nacional do Pros afirma que Vidal induziu legenda ao erro, aponta ineficácia de carta de anuência e pede vaga na Câmara
Presidente nacional do Pros, Marcus Vinicius Chaves de Holanda apresentou manifestação afirmando que foi induzido a erro para formular carta de anuência de desfiliação em nome do vereador Sargento Vidal. Informação consta em processo na Justiça Eleitoral que discute infidelidade partidária.  Sargento Vidal se desfiliou do Pros e agora faz parte do MDB.

Leia também 
Deputado federal vira réu por caluniar adversário em propaganda denunciando pedofilia

 
Segundo o presidente nacional, Vidal apresentou “informação irreal” de que haveria desvio de programa partidário e conflitos com lideranças locais que tornariam impossível a permanência do parlamentar nos quadros da legenda.
 
“Em outras palavras o desinteresse do partido somente haveria de fato se existissem as causas alegadas para a desfiliação, ou seja, somente se realmente houvessem conflitos com lideranças locais e reiterado desvio do programa partidário, o que se apurou posteriormente que de fato não existe”.
 
Conforme o presidente nacional do Pros, o partido foi induzido a erro, “o que invalida totalmente a anuência concedida.
 
A ação

O Pros entrou no dia dois de maio com ação de decretação de perda de mandato eletivo em razão de suposta infidelidade partidária. Conforme os autos, no dia 26 de abril de 2022, o sistema FILIA, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), foi devidamente atualizado, mostrando que Vidal desfiliou-se sem justa causa, o que caracteriza infidelidade ao partido que o elegeu.
 
Segundo o Pros, nada foi comunicado ao partido, em nenhuma de suas esferas. A direção somente tomou conhecimento da desfiliação quando da publicação no sistema FILIA. Ainda segundo o Pros, tratando-se de mandato cuja eleição é feita pela forma proporcional, o cargo não pertence ao vereador, mas sim ao partido político que o elegeu.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet