Olhar Jurídico

Quinta-feira, 18 de agosto de 2022

Notícias | Trabalhista

conciliação

Acordo na Justiça do Trabalho garante R$ 7 milhões a ex-empregados do Hospital São Luiz

Foto: Reprodução

Acordo na Justiça do Trabalho garante R$ 7 milhões a ex-empregados do Hospital São Luiz
Os sindicatos dos profissionais de enfermagem (Sinpen) e dos empregados em estabelecimentos de saúde (SessaMT) firmaram um acordo de mais de R$ 7 milhões com a Pró-Saúde, antiga administradora do Hospital São Luiz, de Cáceres. A conciliação foi realizada nessa segunda-feira (6) pelo Centro Judiciário de Métodos Consensuais de Solução de Disputas de 1º grau (Cejusc) do TRT-23.

Leia também 
Parecer do Ministério Público Estadual pede suspensão de concurso da Polícia Civil


Os valores são resultado de um bloqueio de crédito, feito diretamente na conta do Governo do Estado de Mato Grosso, o qual seria repassado à Pró Saúde.

O montante vai garantir o pagamento das verbas trabalhistas de aproximadamente 400 ex-empregados que estavam com o contrato ativo em 28 de março deste ano e aderiram ao acordo firmado entre os sindicatos e a empresa. Já os que estavam, à época, com os contratos suspensos, não entram nesse pagamento.

Os interessados poderão aderir ao acordo no prazo de 30 dias, mediante termo de adesão junto aos sindicatos. Com a conciliação, os trabalhadores receberão aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, 13º salário proporcional, férias proporcionais acrescidas de 1/3 e multa do FGTS, além de outras parcelas, a depender do caso, como adicional de periculosidade, adicional noturno e horas extras. 

Os valores para pagar os trabalhadores serão depositados em juízo pelo Governo de Mato Grosso. Após o pagamento do acordo, o que sobrar do crédito será utilizado para o pagamento de ações individuais ou coletivas envolvendo trabalhadores do Hospital São Luiz e ajuizadas na Vara do Trabalho de Cáceres. 

Entenda o caso

O governo de Mato Grosso anunciou a requisição administrativa do Hospital São Luiz, em março de 2022. Com a medida, a unidade passou a ser gerida pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) e a atender 100% pelo SUS.

Como os empregados que continuaram trabalhando firmaram novos contratos diretamente com o Estado, ainda em março, os sindicatos presumiram que os contratos antigos seriam extintos.

Para garantir o pagamento dos ex-empregados, as entidades sindicais ajuizaram uma ação cautelar pedindo o bloqueio de créditos da Pró Saúde - Associação Beneficente de Assistência Social. Inicialmente, o pedido envolvia os salários e as verbas rescisórias dos ex-funcionários. 

Posteriormente, os sindicatos pediram na justiça que os valores bloqueados também fossem utilizados para o pagamento de reclamações trabalhistas individuais ou coletivas em trâmite na Vara do Trabalho de Cáceres nas quais são pedidas diferenças salariais e verbas rescisórias. 

Em abril deste ano, as partes firmaram acordo parcial para pagamento dos salários, auxílio-alimentação e depósitos do FGTS. 

A negociação prosseguiu, mas, diante da incerteza quanto à concretização dos atos de requisição pelo Estado de Mato Grosso, as partes decidiram formalizar a rescisão dos contratos de trabalho que se encontravam ativos até 28 de março. O Estado, por outro lado, comprometeu-se a informar o valor total que a Pró-saúde detinha de crédito.

Os sindicatos, com aprovação da assembleia da categoria, e a Pro-Saúde firmaram o acordo perante o Cejusc de 1º grau.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet