Olhar Jurídico

Domingo, 26 de junho de 2022

Notícias | Política de Classe

em defesa de renan caheiros

Collor chama Roberto Gurgel de chantagista e prevaricador

Foto: Reprodução

Collor chama Roberto Gurgel de chantagista e prevaricador
O senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL) chamou o procurador Geral da República (PGR), Roberto Gurgel, de chantagisa e prevaricador e por participar de uma campanha orquestrada para derrubar a candidatura do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) à presidência do Senado.

Collor criticou a intervenção de Gurgel ao pedir investigação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra Renan Calheiros por um fato acontecido em 2007 e que rendeu a saída do senador alagoano da presidência da Casa.

Senadores defendem candidatuta de Taques para a presidência do Senado

“Como é que este senhor tem autoridade moral para apresentar uma denúncia contra um senador da república que já foi julgado pelo Senado e absolvido pelo próprio Senado”, criticou.

“E a apresentação desta denúncia, num sábado, antecedendo a eleição de presidência desta Casa... Algo de estranho paira no ar. Alguma orquestração está por trás disso tudo”, sugeriu.

Segundo o ex-presidente da república, o Senado não pode, em momento algum, se agachar e aceitar uma denúncia inépta e partindo de quem está partindo.

“Este senhor é prevaricador, chantagista e, portanto, sem autoridade moral de colocar um senador, já condenado e absolvido pelo Senado, em condição de constrangimento”, concluiu.

Logo após as declarações de Collor, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, confirmou há pouco que o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) é acusado de ter praticado três crimes: peculato, falsidade ideológica e utilização de documento falso. O documento com as denúncias foi apresentado ao Supremo Tribunal Federal (STF) na semana passada.

Segundo Gurgel, os delitos foram cometidos quando Calheiros usou a verba de representação de seu gabinete para fins não previstos em lei. “Ele comprovou isso com notas frias. O serviço, na verdade, não foi prestado, por isso caracteriza peculato”, explicou o procurador, após sessão de abertura do ano judiciário no STF, nesta sexta.

Atualizada às 12h07
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet