Olhar Jurídico

Quinta-feira, 18 de julho de 2024

Notícias | Política de Classe

ELEIÇÕES NA OAB

Coordenador da campanha de Moreno afirma que há 'tentáculos' da Ararath dentro da OAB-MT

Foto: Divulgação

Paulo Lemos (foto) é coordenador da campanha de José Moreno

Paulo Lemos (foto) é coordenador da campanha de José Moreno

A eleição que definirá o novo presidente da Seccional de Mato Grosso da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MT) acontece nesta sexta-feira (27). E, como em qualquer campanha, as acusações mais graves são deixadas para os últimos dias. Nesta terça-feira (24), o coordenador de campanha do candidato José Moreno, o advogado Paulo Lemos, fez acusações graves contra a atual gestão e também sobre a gestão do candidato Leonardo Campos enquanto presidente da Caixa de Assistência dos Advogados (CAA-MT).


Leia mais:
Defesa de Valdir Barranco não entende decisão do TRE e anuncia recurso do TSE

Além das acusações, ele ainda alerta que, caso a chapa “Atitude na Ordem” seja eleita para compor a nova diretoria, “todos aqueles que praticaram atos ilícitos na OAB/MT ou na direção da CAA-MT serão representados perante os órgãos de controle, inclusive penalmente”.

Ararath e OAB-MT

Lemos atacou a atual diretoria da entidade, presidida por Maurício Aude, ao afirmar que há “tentáculos” da Ararath dentro da OAB-MT, pois membros da cúpula advogam em favor dos principais nomes envolvidos na Operação Ararath, que investiga lavagem de dinheiro e agiotagem em Mato Grosso e que pode ter desviado até R$ 500 milhões dos cofres públicos.

“Nós temos dentro da cúpula da atual gestão da Ordem, advogados dos principais nomes envolvidos na Operação Ararath. E nós entendemos que é muito difícil, praticamente impossível, para esses advogados, na parte da manhã sentar com os seus clientes e formatarem a estratégia de defesa deles, e, na parte da tarde, representando a OAB, combater os atos que seus próprios clientes praticaram junto ao crime organizado no Estado”, declarou.

Resposta da OAB-MT

O presidente da Ordem, Maurício Aude, classificou as declarações de Lemos como 'patrulhemento da advocacia'. "É uma declaração leviana, irresponsável. Desrespeita o advogado criminalista. Isso mostra que ele não conhece a advocacia. Afirmar isso é o mesmo que dizer que nenhum advogado de Minas Gerais pode advogar para a Samarco. Ou que nenhum advogado brasileiro pode advogar para empresas denunciadas por crimes contra o consumidor", argumentou.

Aude também considera incoerente a acusação, pois membros da chapa de Moreno também advogam para pessoas investigados pela Operação Ararath. "Realmente existem membros [da atual gestão] que advogam para pessoas denunciadas em algumas operações. Assim como existem membros da própria chapa que ele apoia advogando para várias pessoas denunciadas em diversas investigações, inclusive a Ararath", concluiu.

Por fim, ressaltou que a OAB-MT sempre se posicionou, dentro de sua possibilidade de atuação, repudiando quaquer tipo de esquema criminoso. Afinal, faz parte de sua função a fiscalização da ordem pública.

Supostas irregularidades de Leonardo Campos

O coordenador de campanha de Moreno também disparou contra a gestão do candidato Leonardo Campos enquanto presidente da Caixa de Assistência dos Advogados (CAA-MT). Segundo Lemos, em 2014, o órgão teria cometido diversas irregularidades, como doações e pagamentos sem justificativa e sem discriminar os beneficiários, além de pagar auxílio maternidade para pessoas do sexo masculino.

De acordo com Paulo, existem fatos concretos de malversação de recursos. “Na análise das contas de 2014 há o apontamento de irregularidades gravíssimas, como doações em numerários elevados sem justificativa e sem discriminação dos beneficiários, uma série de pagamentos com cheques computados em dezenas e milhares de reais também sem justificativa alguma, o pagamento de auxílio maternidade até mesmo para pessoas do sexo masculino e a pessoas que sequer sabemos se é ou não advogada”, concluiu.

O outro lado

Leonardo Campos, por sua vez, afirmou que todas as contas referentes a 2014 já foram aprovadas, em sessão com mais de três horas de duração, onde foi discutido o destino de cada recurso oriundo do órgão.

Além disso, disse estar fazendo uma campanha limpa, focada em discutir propostas para a advocacia ao invés de fazer críticas sem fundamento.


*Atualizado às 17h29

Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet