Olhar Jurídico

Domingo, 05 de julho de 2020

Notícias / Criminal

Defesa de Eder justifica que violações no uso de tornozeleira teriam ocorrido por problemas na bateria do aparelho

Da Redação - Arthur Santos da Silva

04 Dez 2015 - 09:16

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Defesa de Eder justifica que violações no uso de tornozeleira teriam ocorrido por problemas na bateria do aparelho
A defesa do ex-secretário de Fazenda de Mato Grosso, Eder Moraes Dias, questionou a validade da nova prisão preventiva decretada nesta sexta-feira (04), e cumprida pela Polícia Federal na décima fase da Operação Ararath. O advogado Ricardo Spinelli, assessor jurídico do político, afirmou que a suposta violação no uso da tornozeleira eletrônica imposta como medida restritiva foi apenas um problema técnico com o equipamento. O monitoramento teria falhado em conseqüência de descargas de bateria. O Ministério Público Federal avalia que Moraes descumpriu 92 vezes com suas obrigações relativas ao aparelho.

Leia mais:
STJ nega pedido de liberdade de estudante de Direito presa por assassinato de PM


Ao Olhar Jurídico, Spinelli esclareceu que teve um contato preliminar com uma copia da decisão que determinou a nova detenção do antigo homem de confiança do Executivo estadual. O advogado ainda aguarda notificação formal para embasar seu recurso em busca de liberdade. Justificando as supostas burlas, falhas na bateria do aparelho teriam ocorrido. Nas oportunidades, o próprio ex-secretário buscou, segundo a defesa, solucionar o problema.

Esta é a terceira prisão de Eder Moraes em conseqüência da Operação Ararath. No primeiro momento que Moraes foi detido preventivamente, em 2014, o antigo secretário de Fazenda permaneceu em cárcere 82 dias. Já no dia 1º de abril de 2015 o político, foi preso pela segunda vez. Na oportunidade, Eder foi acusado dede atuar com ‘laranjas’ para ocultar seu patrimônio. No dia 12 de agosto, o ministro do Supremo Tribunal Federal,
Dias Toffoli, concedeu liberdade, sendo determinado o emprego da tornozeleira eletrônica.

A investigação Ararath apura um esquema montado de lavagem de dinheiro e um sistema paralelo 'financeiro' com a única finalidade de 'abastecer' a determinado grupo político do Estado. A estimativa é que mais de R$ 500 mi foram movimentados pelo 'sistema' entre 2008 e 2012. Eder Moraes Dias seria o responsável por arquitetar e planejar as ações do grupo.

Nova fase da Ararath

A Polícia Federal deflagrou hoje (4) a décima fase da operação ARARATH, para apurar o desvio de cerca de R$ 313 milhões em recursos públicos do Governo do Estado de Mato Grosso através da utilização de sistema financeiro clandestino.

Foram realizadas 47 medidas de busca e apreensão e 18 conduções coercitivas nas cidades de Cuiabá (MT), Brasília (DF), Luziânia (GO), São Paulo (SP), Caraguatatuba (SP), Curitiba (PR) e Itapema (SC).

As investigações desta fase visam apurar a realização de pagamentos por parte do Governo do Estado em desacordo com as determinações legais a empreiteiras e o posterior desvio desses recursos em favor de agentes públicos e empresários mediante a utilização de instituição financeira clandestina. Também foi expedida ordem de sequestro de bens e valores de mais de R$ 313 milhões, com a finalidade de reparar os prejuízos causados aos cofres públicos.

A análise de documentos apreendidos em fases anteriores em conjunto com outros elementos de prova, apontaram a utilização de complexas medidas de engenharia financeira praticadas pelos investigados com o objetivo de ocultar a real destinação dada a valores de precatórios pagos pelo Estado de Mato Grosso em nítida violação à ordem cronológica e determinações legais.

Os investigados nesta fase responderão pela prática dos crimes de corrupção ativa e passiva, crimes contra o sistema financeiro nacional e lavagem de dinheiro, dentre outros que porventura venham a se confirmar.

14 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • juliana sampaio
    05 Dez 2015 às 09:38

    engraçado nosso pais das leis contraditórias. todo dia a imprensa noticia que são presos pessoas com tornozeleiras cometendo crimes como roubo, assassinatos, etc. e éder cometeu algum crime se simplesmente a bateria descarregou? isso é crime? sejamos francos e menos hipócritas, não tenho procuração para defender eder, longe disso, se ele cometeu algum crimes que estão denunciando foi antes da tornozeleira eletrônica, e ele está se defendendo. o que estamos vendo então é um abuso de poder, poderiam simplesmente notifica-lo para o problema no objeto eletrônico, mas, precisa prende-lo, porque? isso sugere que que a denuncia recente de éder das cartas precatórias dos senhores promotores públicos do estado está incomodando muita gente. estamos ou não numa democracia, ou será que certos órgãos tem poder discricionário de prender qualquer um apenas com suspeitas? não vamos ter um país melhor com abusos e com agressão ao direitos constitucionais da pessoa. ontem foi o éder, amanhã pode ser você que o critica porque a bateria descarregou, francamente, chega de hipocrisia e de injustiças.

  • cidadão
    05 Dez 2015 às 05:29

    A coisa tá ficado feia, e o pior é que não vai ter lugar para todos nos presídios de Cuiabá. Vamos virar exportadores de corruptos. he,he,he...

  • Branco
    04 Dez 2015 às 18:06

    será que não é alzeimer esse seu esquecimento ?? passou dos 50 xô mano esquece até de mija kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Branco
    04 Dez 2015 às 18:06

    será que não é alzeimer esse seu esquecimento ?? passou dos 50 xô mano esquece até de mija kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • SERTANEJO
    04 Dez 2015 às 16:06

    SEM BAGUNÇA E SEM BADERNA VAI AQUI MINHA OPINIÃO, O MALANDRO VIRA SANTO QUANDO O ADVOGADO E BÃO

  • ezequiel paixão
    04 Dez 2015 às 15:40

    Estou imaginando o naipe das conversas no xilindrá. Será que eles chamam o Sinvle de Governador e o Riva de Excelência? Ou será que já estão se tratando de Mano Sinva e Mano Riva? Vamos mandar um salve para a galera do ?Governo, lá no Palácio do Governo Alternativo (Carumbé).

  • josé ricardo
    04 Dez 2015 às 14:29

    Será que o Éder consegue ficar 15 dias sem infringir nenhuma lei?

  • Realengo
    04 Dez 2015 às 14:13

    Me engana que gosto. KKKKKKKKKKKKK

  • Sergio Cunha
    04 Dez 2015 às 13:56

    É o MPE, agora vai com mais sede em cima do Eder Moraes, porque ele entregou os documentos na Assembléa né...agora vão vir como marimbondos em cima del, mais a Assembléia não tem que ficar com medo não, tem mais é que investigar, porque ninguem esta acima da Leia, nem os promotores, desembargadors Juizes etc.... ninguem a cima da LEI, tem que investigar todos.

  • Lapada
    04 Dez 2015 às 13:24

    Já pode pedir melódia musical no Fantástico hehe

Sitevip Internet