Olhar Jurídico

Quinta-feira, 23 de maio de 2019

Notícias / Criminal

Juíza rejeita suspeição e diz que "qualquer mortal com a ficha de Riva poderia ser preso"

Da Redação - Flávia Borges

27 Mar 2015 - 09:17

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Juíza rejeita suspeição e diz que
A juíza Selma Rosane Arruda, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, rejeitou o pedido feito pela defesa do ex-deputado José Geraldo Riva, preso desde o dia 21 de fevereiro, que alegou a suspeição da magistrada por ter uma "sólida relação de inimizade" e "repulsa" pelo ex-parlamentar. Em decisão publicada no Diário da Justiça Eletrônico desta sexta-feira (27), a juíza afirmou que o “inconformismo” gerado com sua decisão não é motivo para acolher a pretensão. Ela alega repúdio ao cime, mas não a quem o pratica. "Qualquer ser humano mortal que ostentasse ficha parecida com a do ora excipiente poderia ter o decreto preventivo em seu desfavor, pelo mesmo motivo, sem que se cogitasse qualquer repugnância ou inimizade da magistrada”, alega.

Leia mai
Advogado de Riva pede suspeição de juíza e diz que ela tem sentimento de repulsa por seu cliente

A juíza garante que teve contato com Riva apenas uma vez, quando recebeu de suas mãos o título de cidadã matogrossense. “Esta magistrada possui não apenas sólida relação de inimizade com o Excipiente, como também sentimento de repulsa por sua pessoa” não encontra respaldo nem mesmo no conteúdo da peça trazida à análise. Nem o próprio excipiente conseguiu demonstrar que “sólida relação de inimizade” esta magistrada teria, eis que sequer o conheço pessoalmente. Aliás, corrijo esta afirmação, para informar, para governo do excipiente, que tive um contato com sua pessoa, em uma única ocasião, quando recebi do mesmo, então Presidente da Assembléia Legislativa, o título de “Cidadã Matogrossense”, por relevantes serviços prestados ao Judiciário Estadual. Assim, ao contrário do que diz a exceção, se motivo houvesse para a recusa da magistrada em relação à pessoa de José Geraldo Riva, deveria sê-lo por simpatia, em razão da honraria recebida e não por inimizade”.

Ainda segundo ela, “ao contrário do que afirma o excipiente, esta magistrada não tem interesse escuso em desfavor de sua pessoa, não age de forma obtusa ou dissimulada, não transgride regramentos legais e não ultrapassa os limites da ética”.

“Assim, arguida causa de suspeição não prevista em lei, em que a parcialidade desta julgadora é defendida com recurso à imaginação fantasiosa do excipiente, rigorosamente não se poderia admitir sequer o processamento da exceção. De qualquer maneira, não pode nem deve esta juíza se declarar suspeita, fora das hipóteses indicadas na lei processual penal, simplesmente porque o excipiente lhe imputa uma inimizade inexistente. De toda sorte, afirmo sem qualquer sombra de dúvidas que não tenho qualquer interesse em prejudicar o réu. Ao contrário, repudio o crime, não as pessoas que o praticam”.

No pedido de exceção de suspeição, o advogado de Riva, Rodrigo Mudrovitsch afirma que a juíza não está apta a realizar, de forma imparcial, o julgamento da ação penal a que Riva responde e que culminou em sua prisão, pois “possui não apenas sólida inimizade com o excipiente, como também sentimento de repulsa por sua pessoa”.

Segundo o jurista, em pleno sábado à tarde, menos de 24 horas após a prolação da decisão, “totalmente estranha ao Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso, os órgãos investigativos, de forma bastante inusitada e proativa, procederam à execução da prisão preventiva do excipiente”.

Ainda segundo a defesa, o vocabulário utilizado pela magistrada no decreto prisional, “os quais claramente extrapolaram a normalidade de uma decisão dessa estirpe, denotam que além de notório alinhamento com o Ministério Público Estadual, já possui juízo pré-formado acerca da personalidade do excipiente, detendo profunda repulsa à sua pessoa”.

“A referência que fiz ao fato notório de que se trata de pessoa que ostenta ficha de antecedentes descomunal, como “ícone da impunidade” não pode, por si só, ser motivo para o reconhecimento de suspeição, porquanto o contexto no qual fiz a afirmação era de fundamentar a necessidade da garantia da ordem pública, em face da periculosidade, evidenciada pela reiteração criminosa. Neste sentido, qualquer ser humano mortal que ostentasse ficha parecida com a do ora excipiente poderia ter o decreto preventivo em seu desfavor, pelo mesmo motivo, sem que se cogitasse qualquer repugnância ou inimizade da magistrada”, afirma a juíza.

Outro lado

O advogado Rodrigo Mudrovitsch foi procurado pela reportagem do Olhar Jurídico nesta sexta-feira (27) para comentar a decisão, porém não atendeu ou retornou os telefonemas.

34 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • luiz
    30 Mar 2015 às 07:35

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • ELEITOR
    28 Mar 2015 às 16:30

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • DJAIR AMORIM DE JESUS
    28 Mar 2015 às 10:49

    Sou policial e tive a honra de trabalhar na comarca em em que a meritíssima juiza atuou e conhecê-la pessoalmente. Participei de várias audiências em que ela presidiu. sempre atuando de forma imparcial, aplicando a Lei e sempre prezando pelos bons costumes e princípios ético e moral. Parabéns doutora Selma pelo excelente serviço prestado a nossa sociedade. Que Deus continue te iluminando nessa nobre profissão.

  • JUCABALA
    27 Mar 2015 às 20:29

    Isso não é ideia do Riva e sim dos devogados, que estão esperneando pra tudo que é lado... kkkkk já ouviu falar em "sem saída"... perdeu!!!!

  • justiceiro
    27 Mar 2015 às 19:54

    com certeza essa juiza vai um dia ser presidente do brasil,e mandar todos politicos corruptos para a cadeia.essa vai ser honrada diante dos homens e diante de Deus.

  • povo
    27 Mar 2015 às 18:36

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • JOSE
    27 Mar 2015 às 18:34

    Muitos parlamentares devem extar pensando: - "iiihhh, o bicho tá pegando, pensando bem vou tratar logo de garantir umas emendas no orçamento do Estado para reforma e construção de novas cadeias e presidios com maior conforto, espaço, uma bóia melhor, melhoria das estruturas para a práticas de esportes e demais mimos, vai que... né.....

  • J.P
    27 Mar 2015 às 17:45

    o// o// o// uma salva de paumas!!

  • Sergio de Souza
    27 Mar 2015 às 17:25

    Parabéns a Meretíssima está correta ao analisar a ficha do réu .

  • maria luiza pinheiro
    27 Mar 2015 às 17:04

    AQUI FAZ A QUI PAGA

Sitevip Internet