Olhar Jurídico

Segunda-feira, 27 de junho de 2022

Notícias | Criminal

LOCUS DELICTI

Giovani Guizardi é orientado por advogado e permanece calado durante depoimento no Gaeco

28 Jul 2016 - 14:55

Da Reportagem Local - Paulo Victor Fanaia Teixeira / Da Redação - Lázaro Thor Borges

Foto: Rogério Florentino Pereira/OD

Giovani Guizardi

Giovani Guizardi

O empresário Giovani Guizardi foi orientado por seu advogado, Rodrigo Mudrovistch, a permanecer em silêncio durante o depoimento que deverá ser prestado na sede do Gaeco nesta quinta-feira (28). A estratégia é semelhante a da defesa do ex-secretário Permínio Pinto que ficou calado em seu depoimento.

Leia mais:
Giovani Guizardi deixa o CCC para ser interrogado sobre esquema que prendeu Permínio Pinto

“Hoje nada vai ser dito, a opção do meu cliente vai ser ficar em silêncio e se reservar a prestar todos os esclarecimentos perante o Poder Pudiciário. São fatos que já estão judicializados e eu não vejo sentido de prestar depoimento à promotoria nesse momento”, afirmou o advogado.

Guizardi é apontado pelo Ministério Público Estadual (MPE) como o “secretário de fato” no esquema de cobrança de propina e “leilão” de obras públicas investigado pela Operação Rêmora. Na nova fase da investigação, intitulada “Locus Delitcti”, o Gaeco apura a participação de Permínio Pinto que era o titular da pasta da Seduc-MT no período em que o esquema foi desbaratado.

Apesar da semelhança das estratégias, Rodrigo Mudrovistch negou que a decisão de não falar lada tenha sido combinada entre ele e o advogado do ex-secretário, Arthur Orsti. Segundo Mudrovistch, “não qualquer alinhamento entre as defesas”.

Em entrevista a reportagem do Olhar Jurídico, o advogado também comentou sobre Operação Locus Deliciti. Ele criticou a alegada ausência de elementos que basearam a deflagração de uma segunda fase da Operação Rêmora e reiterou a decisão de aconselhar seu cliente a permanecer calado.

“Eu não vi novos elementos [para a Locus Delicti], eu não vi novas provas e sinceramente não vejo razão para que haja um novo depoimento hoje. Nós respeitamos, o MP intimou e nós estamos aqui presente, mas ele tem direito de ficar em silêncio e ficará sem prejuízo de quando chegar o momento oportuno prestar todos os esclarecimentos que tem que prestar”, argumentou ele.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet