Olhar Jurídico

Terça-feira, 15 de outubro de 2019

Notícias / Criminal

Juíza determina soltura de ex-servidor Fábio Frigeri acusado de compor esquema na Seduc

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira

20 Dez 2016 - 10:26

Foto: Reprodução

Fábio Frigeri

Fábio Frigeri

A juíza da Sétima Vara Criminal, Selma Rosane Arruda, determinou a soltura do ex-assessor da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), Fábio Frigeri, réu na ação penal oriunda da “Operação Rêmora”. Ele ainda deverá pagar fiança na quantia de R$ 22 mil. Frigeri cumpria prisão preventiva no Centro de Custódia da Capital (CCC) desde 03 de maio e foi solto na noite desta segunda-feira (19). O réu deverá usar tornozeleira eletrônica, assim como o ex-secretário Permínio Pinto.

Leia mais:
Alan Malouf joga culpa da Rêmora sobre Guizardi e cita caixa 2; Governo nega

O pedido de soltura foi entregue em mãos à magistrada logo após o término de seu interrogatório na noite de sexta-feira (16) e foi deferido, tendo em vista o encerramento da fase de instrução e julgamento desta ação penal. 

Segundo o Ministério Público Estadual (MPE), a participação de Fábio Frigeri na organização criminosa ocorria por meio do "núcleo de agentes públicos" do esquema. Além deste, havia o "núcleo de operação" e o "núcleo de empresários".

Integravam o núcleo de operação Giovanni Bellato Guizzardi, Luiz Fernando da Costa Rondon e Leonardo Guimarães Rodrigues. São eles os mandatários dos servidores públicos e os encarregados de fazer os contatos diretos com os empresários que faziam parte do terceiro núcleo.

Entre os empresários do ramo da construção civil envolvidos no esquema destaca-se o ex-deputado estadual e governador de Mato Grosso, Moisés Feltrin que foi detido durante a Operação Rêmora. Feltrin é empresário do setor de construção e por determinação judicial seria conduzido coercitivamente para prestar esclarecimentos, mas como em sua casa foram encontradas armas de fogo, o mesmo foi detido em flagrante.

No total, o núcleo de empresários possui 23 empresários e pelo o menos 20 obras foram fraudadas durante a ação do cartel. O esquema de propina envolvia pagamentos de percentuais em obras que variavam entre R$ 400 mil e R$ 3 milhões.

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • FABIO
    16 Mai 2017 às 08:02

    Sr Angelo, acompanhe todo o processo e veras como o sr é hipócrita, e desinformado, as fraudes em licitaçõs ja foram desmanteladas, por que nao houve, (esta é a fala assumida dos empresarios"nunca informamos nenhum servidor"), as obras divididas em cartel são fantasmas???? isso 18 obras não existem, 4 ja estavam em execução, vote heim, e oito são de promessas em palanque eleitoreiro, vao se informar antes de atirarem pedras. o servidor apenas cumpriu ordens superiores e passou o telefone, alias tudo isso esta com a juiza, povo desinformado e foda!!!!! sobre a camiseta amarela pode colocar sim, igual vc sempre usou, e proteste como vc fez quando procurou o secretario e o sr alan para dizer qu não concordava com aquilo, parabéns fabio pelo seu trabalho...

  • ANGELA
    21 Dez 2016 às 12:20

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Angelo
    21 Dez 2016 às 00:03

    Vamos ver se vai ter coragem de botar a camisetinha amarela da seleção de novo e "protestar contra a corrução" ...

  • Amaranta
    20 Dez 2016 às 16:31

    mas já?

  • maria silva
    20 Dez 2016 às 16:24

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Paulo
    20 Dez 2016 às 12:15

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Jupureju
    20 Dez 2016 às 11:31

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

Sitevip Internet