Olhar Direto

Sábado, 04 de dezembro de 2021

Notícias | Política MT

debaixo do tapete

Pedro Taques pede que PGR investigue o que CPI do Cachoeira tentou abafar

Foto: Reprodução

Senador quer aprofundar investigações

Senador quer aprofundar investigações

O senador Pedro Taques (PDT) irá protocolizar próxima semana na Procuradoria Geral da República (PGR) uma representação pedindo o aprofundamento das investigação sobre irregularidades não apreciadas pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito Mista (CPMI) do Caso Cachoeira.

Relembre os fatos que marcaram as investigações da CPI do Cachoeira

De acordo com o congressista, o objetivo da representação, também assinada pelo senador Randolfe Rodrigues (PSOL) e os deputados federais Onyx Lorenzoni (DEM-RS) e Rubens Bueno (PPS-PR), é requerer ao Ministério Público Federal (MPF) que avance nas investigações, tomando todas as providências cabíveis, de índole investigatória e judicial.

Furacão da CPI quer parar de emagrecer e diminuir o silicone veja

“Inúmeros fatos foram ignorados pela CPMI. Em tese, revelam a prática de crimes contra o patrimônio público dos diversos entes federativos, além de outros delitos. Considerando a gravidade do caso, pediremos que todos os envolvidos no escândalo Delta/Cachoeira sejam punidos, na medida da sua culpabilidade. Não podemos jogar a sujeira para baixo do tapete”, afirmou Pedro Taques por meio de sua assessoria de imprensa.

Deputados da CPI discutem sobre convocação de Sérgio Cabral

Os parlamentares devem se reunir na próxima segunda-feira (19.11), um dia antes da data de apresentação do relatório final da CPMI, para tratar da consolidação do documento entregue à PGR. No encontro, devem definir a data de entrega da representação.

O senador considera imprescindível a quebra de sigilo das empresas fantasmas que receberam recursos da construtora Delta. Ele lembra que, com o afastamento do sigilo da Delta, ficou comprovado que quase R$ 700 milhões foram para pessoas jurídicas que só existem para praticar crimes. No entanto, a falta de prazo da comissão impediu o avanço das investigações.

“Defendi a prorrogação da CPMI por 180 dias, entretanto, a maioria aprovou o prazo de 48 dias que vence já na próxima semana. A exiguidade de tempo impediu a apreciação da totalidade dos requerimentos apresentados. Essa limitação acarretou prejuízos indiscutíveis ao andamento dos trabalhos”, pontuou o senador.

O parlamentar é autor de dezenas de requerimentos ainda não apreciados, como para convocação de testemunhas, quebra de sigilo, compartilhamento de dados e de informação sobre endereços que identificam computadores de empresas supostamente ligadas ao grupo de Carlos Cachoeira. Na representação encaminhada à PGR, os parlamentares devem apresentar dados contundentes a respeito do esquema criminoso.

“Entendo que fiscalizar é função típica do Congresso Nacional. Infelizmente, isso não foi feito. A iniciativa de levar a representação ao PGR será uma forma de tentar suprir a falta de continuidade dos trabalhos da CPI”, afirmou Pedro Taques.

Esta é a segunda representação encaminhada à PGR pedindo mais investigações à CPI depois que parte da bancada governista suspendeu os trabalhos. No dia 7 de novembro, o PSDB protocolizou mesmo pedido. (Com informações da assessoria de imprensa).
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet