Olhar Direto

Terça-feira, 27 de outubro de 2020

Notícias / Política MT

Presidência da AL deve ser dividida entre PR e PSD com PMDB na secretaria

“Se tudo der certo, deve ser isso mesmo”, confidenciou um dos parlamentares eleitos no último domingo.

De Sinop - Alexandre Alves

08 Out 2014 - 09:01

Foto: Reprodução

A eleição da mesa diretora ocorrerá no dia da posse, marcada para 1º de fevereiro de 2015

A eleição da mesa diretora ocorrerá no dia da posse, marcada para 1º de fevereiro de 2015

A eleição mal terminou e as articulações para definição da nova mesa diretora da Assembleia Legislativa de Mato Grosso já estão em curso, ainda que nos bastidores. De acordo com levantamentos feitos pela reportagem com pelo menos quatro deputados eleitos, o comando da Casa de Leis deve ser dividido entre o PR e o PSD nos próximos quatro anos – um biênio de cada.
 
Conforme um deputado republicano, já há conversações para que a presidência no primeiro biênio seja reservada para o partido, visto que o PR fez a maior bancada do Poder Legislativo, garantindo cinco cadeiras: Mauro Savi, Sebastião Resende, Nininho, Wagner Ramos e Emanuel Pinheiro.
 
Já no segundo biênio, o acordo prevê que a cadeira de mandatário seja destinada a um deputado do PSD, que ocupará quatro vagas no parlamento: Janaína Riva, Zé Domingos, Walter Rabello e Pedro Satélite.

Pedro Taques terá que governar com minoria na Assembleia Legislativa
Silvano ‘agarra’ a última vaga na Assembleia e Sinop elege três deputados 

O PMDB, que terá três deputados a partir da próxima legislatura, ficaria com a primeira secretaria nos dois biênios. O partido elegeu Baiano Filho, Silvano Amaral e Romoaldo Junior. E o ex-prefeito de Rondonópolis, José Carlos do Pátio, eleito deputado pelo Solidariedade por coligação opositora ao governador eleito Pedro Taques (PDT), iria compor a mesa diretora em outros cargos, durante os próximos quatro anos.
 
“Se tudo der certo, deve ser isso mesmo”, confidenciou um dos parlamentares eleitos no último domingo.
 
Caso o planejamento se concretize, os 11 deputados eleitos pela base de apoio a Taques ficaram fora de qualquer possibilidade de integrar a mesa diretora do Poder Legislativo, já que o bloco se encontra em minoria. Isso implicaria, por exemplo, não ter a celeridade desejada para aprovar alguns projetos, já que é o presidente da Assembleia quem decide quando os textos devem entrar na pauta de votação, após passar pelas comissões permanentes.
 
A eleição da mesa diretora ocorrerá no dia da posse, marcada para 1º de fevereiro de 2015.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet