Olhar Direto

Segunda-feira, 30 de março de 2020

Notícias / Política MT

Quatro deputados eleitos são beneficiados pelo FAP e vão receber dois salários

Da Redação - Raoni Ricci

23 Jan 2015 - 12:10

Foto: Ronaldo Mazza-ALMT

Quatro deputados eleitos são beneficiados pelo FAP e vão receber dois salários
Os deputados estaduais Pedro Satélite (PSD), Gilmar Fabris (PSD), Romoaldo Junior (PMDB) e Emanuel Pinheiro (PR) formam um seleto grupo de parlamentares que receberão, de forma legal, dois salários por mês na 18ª Legislatura. Os quatro integram a lista dos beneficiários do extinto Fundo de Assistência Parlamentar (FAP).

Leia mais
MPE pede anulação do FAP e quer proibir novos benefícios
 
Na soma dos rendimentos, esses deputados vão receber cerca de R$ 40 mil mensais, sem contar a verba indenizatória, hoje fixada em R$ 35 mil por gabinete. A pensão é vitalícia, e seu valor é calculado com base no tempo de contribuição de cada contemplado.
 
Existem pensionistas que recebem 75% do valor do salário, hoje fixado em R$ 20 mil, mas outros recebem 100%. Ao final de um ano, esses parlamentares recebem quase R$ 1 milhão do fundo, no acúmulo de todos os rendimentos.
 
O FAP foi extinto em 1993. Também deputado estadual eleito, o tucano Wilson Santos foi um dos grandes defensores do fim do benefício. Ainda no PDT, ingressou em 1991 com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) no Supremo Tribunal Federal (STF) para derrubar o FAP, mas não obteve sucesso.
 
Ao lado da ex-senadora Serys Slhessarenko, Wilson recusou o privilégio. Todo final de legislatura existe movimentação para que a lei seja repristinada, porém, com a opinião pública contrária, quase nunca a manobra se concretiza. 

20 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Iron Horse
    24 Jan 2015 às 08:11

    Uma belíssima profissão. Ontem o Antero declarou em seu programa noturno que o orçamento da AL é maior que o do Município de Sinop e mais do que um agregado regional de vários Municípios, não me lembro quais. Num momento em que o país foi levado ao fundo do buraco sob quaisquer pontos de vista, isso é mais que um acinte.

  • FELICIDADE ALMEIDA QUEIROZ
    24 Jan 2015 às 06:45

    Rodrigo de acordo com a poitica do PT no seu governo acabou a miséria ninguem passa mais fome

  • Osvaldo Mariano da Silva
    23 Jan 2015 às 16:27

    A lei que cassou os págtos vitalícios para os ex Governadores não pode ser usado para cassar esses benefícios que só foram criados em benefícios próprios?

  • Prof. Orlando
    23 Jan 2015 às 16:09

    É incorporação dali, acúmulo de super salários de lá, verbas indenizatórias, somado a isso vem as tais "emenda nos orçamentos", claro, com um "jabazinho" de 20% ou 30%, depois soma também, os superfaturamentos nas obras e as terceirizações, ai falta dinheiro para segurança, saúde e educação. O povo morto pela bandidagem, povo na fila dos prontos socorros e também não estuda. Mas, tem novelas, futebol, balada, drogas, fanks, etc. Foi assim com o IMPÉRIO ROMANO, que caiu, e o brasil esta rumando para no mesmo caminho. FALÊNCIA TOTAL.... Mas tem bastante ricos no brasil, ou seja, menos 000,5 %.

  • justiceiro
    23 Jan 2015 às 16:08

    esta lei nao e de agora eles merecen sim, porque entao nao manda cortar a aposentadoria do senhor Lula.

  • Pedro
    23 Jan 2015 às 16:04

    Já que é legal, eles deveriam ter o BRio de enquanto estarem com dois vencimentos doar um para instituições benificentes!!!

  • Marcio Abrahao
    23 Jan 2015 às 15:29

    Emanuel Pinheiro (PR) forma um seleto grupo de parlamentares que vão receber cerca de R$ 95.000,00 mensal (R$ 40 mil mensais, sem contar a verba indenizatória, hoje fixada em R$ 35 mil por gabinete e a aposentadoria de R$ 20.000,00) Serys Slhessarenko, Wilson Santos e Jose Geraldo Riva recusaram o privilégio que é considerado pela sociedade como imoral, uma vez que o trabalhador aposentado ganha no máximo R$ 4.300,00

  • zecatatu
    23 Jan 2015 às 15:23

    Reeleição sempre da nisso, caro eleitor, continue reelegendo deputados e tratem de trabalhar mais, pois 02 salários de deputados o cidadão precisa pagar mais impostos, é isso ai, R$ 26.000,00 de salário mensal é pouco, e como a vida de deputado é muito duríssima, e mesmo assim ninguém quer deixar de se candidatar a reeleição, o eleitor tem que ficar mais esperto, mas como muitos eleitores ganham um favor aqui outro lá na campanha, alguns litros de gasolina, e outras coisas mais, depois tem que dar o duro trabalhando cada vez mais para pagar as aposentadorias, é isso ai gente, o mundo é dos espertos.

  • rodrigo
    23 Jan 2015 às 15:08

    ta certo por isso é que este país não vai para frente, pois enquanto isso vários pais de famílias trabalhadores passando fome e dificuldades com o misero salário que ganham.

  • Eduardo
    23 Jan 2015 às 14:43

    É legal mas imoral. vergonha. fazem leis benefícios aos dep estaduais. por isso que nunca vai melhorar. o povo tenta acreditar que vai melhorar ai vem esses tipos de coisa. é palhaçada .

Sitevip Internet