Olhar Direto

Quarta-feira, 16 de junho de 2021

Notícias | Brasil

Acidentes em rodovias federais custaram R$ 12 bi em 2014, diz Ipea

Acidentes de trânsito em rodovias federais em 2014 geraram um custo de R$ 12,3 bilhões à sociedade, diz estudo divulgado nesta terça-feira (23) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), com base nos dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

O montante corresponde aos prejuizos causados pelos 169.163 acidentes contabilizados nessas estradas no ano passado. Esse número é 50,3% maior do que o de 10 anos atrás, mas caiu em relação ao levantamento anterior, de 2010.

O cálculo do custo dos acidentes, segundo o Ipea, inclui os gastos com cuidados com a saúde e perda de produção devido a lesões ou morte, danos materiais e perda de cargas, além do custo de procedimentos de remoção dos veículos acidentados.

Em 2010, quando houve 183.447 acidentes nas estradas federais, o montante chegou a R$ 13 bilhões. Em 2007, com 128.212 ocorrências, o custo foi de R$ 9,1 bilhões.

Em 2014, 8.227 pessoas morreram e 100.675 se feriram em acidentes nas rodovias federais no Brasil, diz o levantamento do Ipea. O número de mortos é 34,5% maior do que o de 10 anos atrás, e o de feridos, cerca de 50%. Mas, assim como o total de acidentes, eles caíram em relação a 2010.

Acidentes x frota
Ao citar o aumento de 121% da frota de veículos no Brasil de 2004 a 2014, o Ipea destaca que a quantidade de acidentes por veículo nas estradas federais foi reduzida. Porém, faz a ressalva de que "mesmo caindo entre 2010 e 2014, os números absolutos e por frota precisam cair muito mais, considerando-se as metas globais estabelecidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS)".

A OMS estabeleceu meta de redução de 50% do volume de mortes em acidentes de trânsito no planeta até 2020, quando definiu que esta fosse a década pela segurança no trânsito.

Considerando ocorrências nas estradas federais, estaduais e municipais, e nas cidades, os acidentes de trânsito matam aproximadamente 43 mil pessoas por ano, segundo os dados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus), do Ministério da Saúde. Acidentes em  rodovias federais respondem por cerca de 20% dessas mortes (8.227 mortes em 2014), com cerca de 26 mil feridos graves por ano.

Causas
Aproximadamente 67% dos acidentes com mortos nas estradas federais em 2014 aconteceram em zonas rurais, aponta o Ipea. Do total, 59% foram sem vítimas.

A colisão frontal, apesar de corresponder a apenas 4,1% do total de acidentes, foi o tipo que mais matou (33,7%), seguida por atropelamento (14,6%) e saída da pista (11,3%).

Segundo o estudo, 89,71% das colisões frontais ocorreram em pistas simples e 71,73% dos atropelamentos foram em trechos urbanos. A maior parte das 1.204 mortes mortes nesse tipo de acidente foi à noite, principalmente entre as 18h e as 20h, e no fim de semana.

A Via Dutra foi a rodovia com a maior quantidade de pedestres mortos, e a Fernão Dias, a rodovia com a maior quantidade de mortos por mil quilômetros

Motos
Os automóveis apresentam o maior percentual de envolvimento nos acidentes de trânsito (75%) nas rodovias e também de mortes (64%). As motos, apesar de estarem envolvidas em 18% dos acidentes, apareceram em 30% dos casos com mortes e em 40,6% das ocorrências com vítimas com lesões graves.

Em 2014, houve cerca de 2,3 mil mortes em acidentes com envolvimento de pelo menos uma motocicleta, sendo que 44% dessas mortes ocorreram na Região Nordeste, destaca o Ipea. Ainda segundo o estudo, desde 2003, a frota de motos cresceu 269,8% no Brasil e 414% no Nordeste.
Sitevip Internet