Olhar Direto

Quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Notícias / Política MT

Saída de Maggi é fim de uma era e abre perspectiva para surgimento de novos líderes

Da Reportagem Local - Ronaldo Pacheco

11 Mar 2018 - 14:30

Foto: Rogério Florentino Pereira / Olhar Direto

Saída de Maggi é fim de uma era e abre perspectiva para surgimento de novos líderes
É provável que o cenário político de Mato Grosso nunca mais seja o mesmo, sem a presença do ministro da Agricultura e Pecuária, senador licenciado Blairo Maggi (PP), sempre líder nas pesquisas de opinião pública sobre tendência do eleitorado. Ao anunciar sua decisão de se retirar da vida pública, certamente Maggi deixa de ser líder político para se tornar lenda da vida pública, com apenas 61 anos.
 
Blairo Maggi disse que vai retornar ao cotidiano das empresas do grupo AMaggi e do convívio familiar. E avisou que não deseja mais ficar sem turma. “A vida pública é de muito sacrifício e de baixo reconhecimento.  Não existe vida social. Você não tem vida nem ‘turma’, em Brasília.  E você não tem ‘turma’ aqui em Mato Grosso. Fica sem vida social”, comparou ele.

Leia mais:
- ‘Se tivesse receio, eu ia disputar eleição’, diz Maggi sobre perda de foro privilegiado

- Blairo Maggi oficializa que não participará da eleição em 2018
 
- Pedro Taques afirma torcer para que ministro Blairo Maggi continue na política

Como forma de demonstrar a maturidade de sua decisão, foi buscar a figura do poeta e líder comunitário Calé Marien (in memorian), que o incentivou a assumir uma candidatura ao governo de Mato grosso, no longínquo primeiro semestre de 2002. Para muitos e com inúmeros resultados de pesquisas de opinião, o então senador Antero Paes de Barros (PSDB) venceria no primeiro turno.

“Ninguém tinha naquele momento um projeto eleitoral consistente. Lá em 2002 decidi participar muito mais para saber como era a política e conhecer as lideranças. Na época eu morava em Rondonópolis. Nesse ambiente, eu fiz o comunicado que seria candidato a governador do Estado”, recordou Maggi, lembrando que escolheu o auditório da AMM por causa do valor simbólico – lá tudo começou há 16 anos.
 
Cale Marien dizia que Maggi era um avião pronto para decolar, mas que não poderia, porque era amarrado por cordas. Ao assumir que seria candidato, o então rei da soja se dirigiu a Marien e disparou: “corta a corda que o avião vai voar!”.
 
O êxito da sua participação no Ministério da Agricultura fizeram-lhe repensar o projeto. “É verdade que 2002 houve esse momento histórico. A vida passou! Vieram duas campanhas para governador [2002 e 206] e uma para senador. E o Senado é como a Câmara Municipal ou Assembleia Legislativa: gente trabalha muito e não vê as coisas acontecerem. Para quem vem do Poder Executivo é de certa forma um pouco frustrante”, avaliou ele.
 
E em quase dois anos no Ministério da Agricultura percebeu que não desejava mais o Legislativo. “A ida para o Ministério me provocou a situação de poder participar e conquistar coisas mais objetivas, onde se consegue perceber”, citou ele.
 
Maggi está cansado de não ter privacidade, como ir a um restaurante ou a uma sorveteria sem responsabilidade de cumprimentar todas as mesas. “Vou completar 16 anos de agenda pública. Não é agenda do Blairo nem da família do Blairo. É estar à disposição das agendas que vêm surgindo ao longo do período e tem que cumprir”, ponderou ele.
 
A ida ao Fórum Econômico de Davos, na Suíça, com o presidente Michel Temer (PMDB), acelerou a sua decisão. “No ano passado, eu disse ao presidente Temer que pensava em parar. Ele respondeu que contaria comigo. No início do ano fomos a Davos (Suíça), juntos. Eu disse que pensava em não ser candidato e, mais uma vez, reafirmou a vontade que tem que eu ficasse com ele até o final”, citou Maggi.
 
E Michel Temer poderá contar com o seu ministro da Agricultura e Pecuária. “O cargo é dele e coloquei o meu cargo à disposição do presidente. Ninguém é insubstituível. Se tiver de fazer qualquer composição política e precisar, tudo bem. Porque vai haver a reforma ministerial [em abril]. Ele me convidou para ficar”, complementou Maggi.
 
* Calé Marien morreu em dezembro foi líder  comunitário, poeta e artista plástico. Ajudou a fundar a Associação dos Pioneiros de Rondonópolis, a União Rondonopolitana de Associações de Moradores de Bairros (Uramb) e a Federação Mato-Grossense das Associações de Moradores de Bairros (Femab).

13 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Juca
    12 Mar 2018 às 08:36

    Vejo nos comentários abaixo, o quanto muitas pessoas tem inveja dos ricos. Ora, no Brasil todos têm chances de melhorar de vida. Uns procuram trabalhando, estudando, desenvolvendo, lendo, crescendo intelectualmente, buscando resultados. Outros não, vivem apenas a falar mal dos que crescem. Aliás, o ditado é antigo: "Quem fala de grandes é muito pequeno!"

  • Bea
    12 Mar 2018 às 07:46

    Tchau golpista, ficou com o governo do PT até atender seus interesses, depois pulou fora, bem se diz q os ratos são os primeiros a fugir do barco.

  • Carlos
    11 Mar 2018 às 23:27

    As eleições estão na dependência da harmonia entre Mauro Mendes, Rossato e Wellington Fagundes como bem disse o Sr Ricardo. Se eles se unirem não tem segundo turno, se estiverem em palanques diferentes também tiram o Taques do segundo turno. Rossato tem o apoio irrestrito do agronegócio, grande financiador de campanhas e que controla os pequenos municípios. Wellington Fagundes diga-se o que quiser fez muito pela região Sul e Leste do Estado, locais em que praticamente fecha votos. Mauro Mendes fecha Cuiabá e VG.

  • Ângelo
    11 Mar 2018 às 20:39

    "Lenda da vida pública" ? Menos Olhar Direto, menos ...

  • Jair
    11 Mar 2018 às 19:53

    Quem a? Blairo golpista o silval e Riva que os dias Aff temos que engolir cada coisa e ficar quietinho

  • Justo
    11 Mar 2018 às 17:28

    Ele foi um político tão bom que escolheu Silval Barbosa para seu vice e depois deixou esse maldito como governador que afundou o estado de MT em corrupção.

  • Monica Birchall
    11 Mar 2018 às 17:21

    Esta deveria ser a atitude de todos políticos deste país! Deveriam servir com a sua expersite ao país, assim como fez tão bem Blairo ao nosso estado, e depois de duas gestões, se reeleito, tocar seus planos pessoais. Isto eh ser politico, eh estar político por um tempo e não fazer da política seu modo de vida, uma profissão!!! Vamos ser democráticos de verdade. Que todos sigam seu exemplo e saibam se retirar na hora certa!!! E viva Blairo, saiu da política como Pele do futebol!

  • Maria
    11 Mar 2018 às 16:40

    Blario foi o melhor governador de MT e um excelente gestor homem completamente preparado para governar a nação brasileira.

  • paulo escorpião
    11 Mar 2018 às 15:50

    eu não sei qual opinião pública o OLHAR DIRETO se ampara,só se for nos empregados dele que depende dos seus empregos, mais que venha novos lideres que não sejam iguais a ele.

  • nonato
    11 Mar 2018 às 15:46

    JA VAI TARDE...ESSE CIDADAO NUNCA FEZ NADA PELO POVO DO MATO GROSSO, ARROGANTE PREPOTENTE, DEFENDEU ESTRADAS PRAS SUAS FAZENDAS E SEUS INTERESSES, ATÉ TENTOU DERRUBAR A GATONET

Sitevip Internet