Olhar Direto

Quinta-feira, 15 de abril de 2021

Notícias / Política MT

Sem acordo

Victório Galli defende que Selma não vá à Justiça por tempo de TV: para evitar desgastes

Da Redação - Érika Oliveira

29 Ago 2018 - 17:53

Foto: Rogerio Florentino/Olhar Direto

Victório Galli defende que Selma não vá à Justiça por tempo de TV: para evitar desgastes
O presidente do PSL em Mato Grosso, deputado federal Victório Galli, representou a juíza aposentada Selma Arruda, candidata ao Senado pelo partido, em uma reunião que havia sido solicitada por ela para definir a distribuição do tempo de propaganda eleitoral da coligação ‘Segue em Frente Mato Grosso’. A candidata ameaça entrar na Justiça caso o 1 minuto e 39 segundos da chapa não seja dividido de forma igualitária entre ela e Nilson Leitão (PSDB). Mas, embora concorde com a distribuição proposta por Selma, Galli espera que a juíza aposentada não vá ao embate judicial.

Leia mais:
Reunião de emergência não contorna crise entre Leitão e Selma e juíza deve ir à justiça

“Ela como candidata vai procurar os direitos que ela tem, sem problema nenhum. Mas eu espero que esse entendimento possa acontecer de forma tranquila entre o Leitão e a Selma, para que se evite esses desgastes”, avaliou, após reunião com os dirigentes dos partidos que compõem a aliança.  

A reunião, que aconteceu na tarde desta quarta-feira (29), acabou sem nenhuma definição. Diante da ausência de Selma, Leitão decidiu que também não participaria do encontro. O tucano foi representado por Paulo Borges, que além de presidente do PSDB é presidente da coligação encabeçada por Pedro Taques. 

 Ao final da reunião, Paulo Borges afirmou que a tese de Leitão foi acatada por todos os presidentes de partidos que compõem a coligação. No entanto, a decisão final deverá ser tomada em uma reunião entre os dois candidatos.

Caso aceita a estratégia de Leitão, ele deverá ter 1 minuto e 4 segundos de tempo de horário eleitoral, enquanto Selma terá 28 segundos para se apresentar ao eleitor na propaganda gratuita. O presidente do PSDB, Paulo Borges tentou dar uma ar de resolução ao problema, mas acabou por admitir que o “desconforto” ainda paira sobre o grupo.

“A gente busca unidade. Essa composição tem que ser feita com harmonia e lealdade, é com base nesses princípios que a gente quer tocar essa chapa. A partir do momento que se quebra um elo desses aí, você acaba perdendo a confiança e criando um clima. Na verdade existiram umas colocações da juíza, por inexperiência, que não agradou o PSDB e os candidatos do partido. Mas isso é uma questão superada e nós estamos conversando para que não haja mais esse tipo de imbróglio. Nós já temos adversários lá fora, não precisamos criar conflito aqui”, pontuou.
 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet