Olhar Direto

Quarta-feira, 02 de dezembro de 2020

Notícias / Política MT

Taques diz que Educação ocupa maior parte da máquina pública e alerta para "risco"

Da Redação - Érika Oliveira

30 Set 2018 - 10:30

Foto: Rogerio Florentino/Olhar Direto

Taques diz que Educação ocupa maior parte da máquina pública e alerta para
O enxugamento da máquina pública tem sido uma das pautas mais recorrentes nestas eleições, tanto por quem poderá deter o controle do Executivo, quanto por candidatos ao Legislativo que condenam a forma como o governador Pedro Taques (PSDB) geriu Mato Grosso nos últimos anos. Em sua defesa, o tucano alega que a maior fatia da folha salarial do Executivo é destinada à Educação, principalmente na contratação de professores, e fez um alerta para que a população não acredite em candidatos que prometem diminuir o tamanho do Estado.

Leia mais:
Taques admite corrupção em seu governo, mas contesta veracidade de delações no STF

“Mato Grosso tem 70 mil servidores na ativa. Em algumas áreas nós precisamos de mais contratados. 40 mil desses profissionais são da educação, que tiveram 49% ganho real em 3 anos e meio. Aí dizem que eu errei. Em razão disso, mas não só isso, Mato Grosso hoje é o terceiro melhor salário do Brasil na Educação, e melhoramos e muito os indicadores. Dos 40 mil profissionais da educação, 22 mil são professores”, defendeu Pedro Taques, em entrevista à Rádio Jovem Pan FM, nesta segunda-feira (25).

O governador não esclareceu se os 70 mil servidores mencionados são exclusivamente contratos temporários, mas sua fala foi em resposta ao questionamento de uma ouvinte que o indagou sobre o número de comissionados na gestão. Segundo dados do Executivo, Mato Grosso possui atualmente, entre ativos e inativos, quase 100 mil servidores, com uma folha de pagamento em aproximadamente R$ 600 milhões.

O “alerta” de Pedro Taques é uma clara “alfinetada” em Mauro Mendes (DEM), que tem repetido em entrevistas que irá promover uma redução de pelo menos 30% no número de comissionados, além de cortar ao menos sete Secretarias e/ou órgãos e autarquias.

Conforme apurou a reportagem, com base em informações contidas no site do Governo, atualmente o Executivo estadual possui mais de 130 Secretarias – se somadas as adjuntas -, órgãos e autarquias.

“O servidor concursado é impossível demitir, a lei não permite. Um governador não pode tudo, ele tem que respeitar a lei, ele tem que respeita acordos. Não dá para abrir uma brigaida com servidor, não vou fazer isso. (...) Nós vamos cortar 30% dos cargos comissionados que são usados para indicação política, nós já até cravamos o número. E vamos tentar mais se for possível”, afirmou Mauro Mendes, no mês passado, também em entrevista à Rádio Jovem Pan.

Taques rebateu. “O que nós fizemos? Um concurso, substituímos dois contratados por um efetivo. Algumas áreas não podemos realizar concurso sob pena de inviabilizarmos o serviço. Cuidado com quem diz que devemos diminuir o Estado, porque Mato Groso tem um déficit enorme. Nós ainda precisamos dos contratados e essa história de diminuir Estado tem que ser analisado com uma lupa. A solução é a emenda do teto, que estabelece limite de gastos, mas não só para o Executivo”.
 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet