Olhar Direto

Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

Notícias / Política MT

Novato quer presidência da AL contra os “antigos” e defende auditoria na Casa de Leis

Da Redação - Érika Oliveira

22 Out 2018 - 09:56

Foto: Rogerio Florentino/Olhar Direto

Novato quer presidência da AL contra os “antigos” e defende auditoria na Casa de Leis
Conhecido inicialmente por “impedir” que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fosse condecorado como cidadão mato-grossense e agora eleito deputado estadual pelo Democracia Cristã, o jovem advogado Ulysses Moraes quer disputar a presidência da Assembleia Legislativa, para o próximo biênio, em uma chapa contra os deputados cujo mandato foi renovado.

Para o futuro parlamentar, o atual presidente da Casa de Leis, Eduardo Botelho (DEM) – que já manifestou intenção de concorrer à Mesa novamente -, representa a “velha política” e somente uma chapa composta pelos “novos” constituiria um Legislativo “sem amarras”. Ulysses defendeu ainda que seja realizada uma auditoria nas contas da Assembleia de Mato Grosso.

Leia mais:
Maluf quer presidência e defende concurso público e reconstrução do Regimento da Assembleia

“Me disponho, junto com os novos, a discutir e formar uma chapa para concorrer com os antigos, seja na posição de presidente ou qualquer outra. Vamos mostrar que é possível fazer mais com menos, foi para isso que fomos eleitos, para fazer a diferença. A ideia é de uma Mesa Diretora, sem vícios, sem amarras, sem vínculos com quem quer que seja, para dar um basta na política velha de assistencialismo e de fisiologismo, modelo esse repugnante”, declarou Ulysses Moraes, em manifesto enviado à imprensa.

Até o momento os deputados Guilherme Maluf (PSDB), Eduardo Botelho e Janaina Riva (MDB), já demonstraram interesse em pleitear a presidência. Ulysses é o primeiro parlamentar do grupo de novatos a se manifestar sobre o assunto.

Dos parlamentares citados acima, nenhum se opôs a formar chapa com os recém-chegados ao Legislativo. Maluf, no entanto, afirmou que irá apoiar àquele que aderir ao modelo de gestão criado por ele e que inclui a realização de um concurso público, a reestruturação do Regimento Interno da Assembleia de Mato Grosso e a garantia da prerrogativa das emendas parlamentares, suspensa através de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade proposta pelo governador Pedro Taques (PSDB).

Moraes, por sua vez, quer uma chapa 100% renovada, sem a presença dos deputados que se reelegeram. “Faz-se necessário, uma nova Mesa Diretora, porque depois que li a entrevista do atual presidente, não vi ali disposição para mudança, antes ao que parece, quer manter a atual estrutura da forma que se encontra. Pouquíssima, quase nenhuma vontade de reduzir benesses e privilégios, foi isso que me motivou a incentivar e desafiar para essa espinhosa missão os recém eleitos, para ser e fazer diferente,minimizar o sofrimento do povo, mesmo tendo que cortar na própria carne”.

O advogado quer, ainda, “mapear”, se eleito, os gastos do Legislativo nos últimos anos. “Deixo claro, que não se trata de uma caça às bruxas, mas apenas com propósito de rastrear o caminho percorrido pelo dinheiro do povo, que está indo para outros lugares que não os beneficiam, pelo contrário, os oneram ainda mais”, pontuou.

Veja a íntegra do posicionamento de Ulysses Moraes:

Diante da celeuma, que já se faz em cima da futura mesa diretora da Assembleia Legislativa, me disponho junto com os novos, a discutir e formar uma chapa para concorrer com os antigos seja na posição de presidente ou qualquer outra. Vamos mostrar que é possível fazer mais com menos, foi para isso que fomos eleitos, para fazer a diferença.

Nós, os novos, precisamos atuar de forma firme, para não decepcionar aqueles que nos outorgaram uma procuração em branco. É imperativo resgatar verdadeira função do legislador, consequentemente da Assembleia Legislativa. Nós temos que recolocar a locomotiva nos trilhos, hoje, ao que parece e pelo que se ouve pela vóz do povo, está descarrilhada e é conduzida ao bel prazer de seu mandatário. Focar e atuar como parlamento, trabalhar pela coletividade, não apenas para castas privilegiadas, fiscalizar e legislar. 

A ideia é de uma mesa diretora, sem vícios, sem amarras, sem vínculos com quem quer que seja, para dar um basta na política velha de assistencialismo e de fisiologismo, modelo esse repugnante.

Implantar uma nova visão, para frear, restabelecer a ordem e impor limites nos gastos públicos. Atualmente, o que se lê nos jornais no dia-a-dia, são vereadores e deputados aumentando seus privilégios, verbas de toda natureza e se isentando de prestar contas dos seus gastos, em detrimento da melhor aplicação do dinheiro público. Isso tem que acabar. De outro lado o povo agoniza no sofrimento por não ter emprego, segurança, escolas de má qualidade, pessoas morrendo por falta de assistência médica e etc...

É primordial atender o clamor da sociedade, que não aguenta mais o modelo da velha política, CHEGA! Do que se ouve dizer dos parlamentares, seja vereador ou deputado, que utilizam seus gabinetes e seus funcionários para a pratica de “caridade”, compra de passagens, de levar e buscar pessoas em hospitais, dentre outras coisas, ora, isso é função do executivo, tal prática é crime, constitui compra de votos, através do assistencialismo continuado.  

Importante destacar que assistência Social é função do executivo, inclusive tem Secretarias especializadas e, se não estão conseguindo fazer seu trabalho a contento, cabe aos parlamentares cobrar providencias na melhor aplicação dos recursos públicos.

Faz-se necessário, uma nova mesa diretora, porque depois que li a entrevista do atual presidente, não vi ali disposição para mudança, antes ao que parece, quer manter a atual estrutura da forma que se encontra, pouquíssima, quase nenhuma vontade de reduzir, benesses e privilégios, foi isso que me motivou a incentivar e desafiar para essa espinhosa missão os recém eleitos, para ser e fazer diferente,minimizar o sofrimento do povo, mesmo tendo que cortar na própria carne. 

A nova composição terá inicialmente, como inevitável, rever e auditar as contas, saber onde e como estavam sendo gastos e aplicados o dinheiro dos impostos. O propósito deve ser determinar o corte na própria carne, pois, o dinheiro tem que ser usado onde mais precisa, saúde, educação e segurança.

Deixo claro, que não se trata de uma caça às bruxas, mas apenas, com propósito de mapear, rastrear o caminho percorrido pelo dinheiro do povo, que está indo para outros lugares que não os beneficiam, pelo contrário, os oneram ainda mais. Portanto, é preciso urgentemente mudar o percurso, fazer uma rotadiferente, onde os recursos cheguem, onde dele há maior necessidade.

Importante dizer também que a Democracia se firma e se constitui na alternância de pessoas no poder,para a oxigenação, implantação de novas ideias. Diferentemente e estranhamente, os que pregam e alardeiam a democracia, quando assumem o poder, não querem mais largar, desde os sindicalistas até o Presidente da República se deixar ficam perpetuamente no cargo.  

Meu propósito é juntamente com os novatos ser e fazer a diferença, instituir um modelo pautado na Constituição da República onde prevaleça o Princípio criado no século XIX, da Supremacia do interesse público sobre o particular, cujo objetivo deve ser aplicar a justiça social e o bem comum.

Nessa oportunidade, convido e desafio os novos deputados, recém-eleitos a fazer coro comigo para formar uma chapa para concorrer num propósito de gestão transparente em prol da coletividade, cumprindo e fazendo cumprir a constituição brasileira. “Nós temos que ser a mudança que desejamos ver” Mahatma Gandhi.

Ulysses Moraes - Deputado eleito com 18721 votos em 132 municípios do estado de Mato Grosso

35 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Eudes
    29 Out 2018 às 07:24

    Assim espero deputado estadual Guilherme Maluf uma gestão com transparência nesta casa democrática

  • Paulo Vicente Antonio da Silva
    23 Out 2018 às 23:42

    Esse é o primeiro passo, coragem e probidade, sem se coadunar a interesses que caracterizam o vetusto modelo de se legislar, essa mudança é um anseio de todos nós cidadãos, a democracia brasileira constituída pelo Novo Estado de Direito. Estamos com Ulisses, anseiamos por mudanças.

  • Amarildo
    23 Out 2018 às 14:30

    ESTA É A NOVA CARA DA POLITICA BRASILEIRA, NÃO TEM MAIS VOLTA E QUANTO MAIS O NOSSO ESTADO DEMORAR PARA ENTRAR NESTA ONDA MAIS VAI FICAR NAS MÃOS DOS CORRUPTOS. FORA VELHOS POLITIQUEIROS!!!!!!!!

  • gilberto
    23 Out 2018 às 13:18

    Espero que cumpra seu papel, com certeza foi pensando nisso que seus eleitores o elegeram. Moralizar, renovar e modernizar esse Balaio em que se tornaram todas as camarás de vereadores assembleias legislativas e o congresso nacional! Sangue novo, novas ideias e vergonha na cara serão mito bem vindos!

  • José
    23 Out 2018 às 12:00

    Ulisses, é imperioso ficar de olho nos Cursos realizados pela área militar deste Estado. Veja, por exemplo, que, em 2010, o Soldado Abinoão Oliveira, que participava do Curso de Tripulante Operacional, veio à óbito durante exercício realizado no referido curso. Destaco, ainda, que o Jovem Rodrigo Claro, que participava do Curso de Formação de Bombeiro Militar em 2016, também veio à òbito, segundo informações, em decorrência de procedimentos inadequados no aludido Curso. Por fim, ressalto que, até a presente data 23/10/2018, não tenho conhecimento de que alguém foi punido de forma exemplar. Por conseguinte, solicito a Vossa Excelência que acompanhe a apuração de responsabilidades dos denunciados nos citados casos.

  • Alberto
    23 Out 2018 às 07:15

    Nossa gato demais!

  • joaoderondonopolis
    22 Out 2018 às 20:46

    A população de MT está contando com os novos deputados da ALMT em aprovar taxação do Agro. O Agro deve ser taxado num valor equivalente aos repasses dos poderes por ano.

  • Paulo nascimento
    22 Out 2018 às 20:27

    Concordo plenamente chega de sanguessugas

  • Paulo
    22 Out 2018 às 19:22

    Pela matéria diz formar um grupo dos novos deputados eleitos , ele se dispõe a colaborar seja em qualquer cargo, não necessariamente a Presidência. Tem todo apoio, chega desses sanguessugas, que estão ai apenas em benefício próprio. Tem mais que mudar, sim! super apoiado!

  • Antonio
    22 Out 2018 às 18:56

    Espera o povo começar a fazer fila na porta do seu gabinete, pedindo de cesta básica à caixão, daí quero ver abrir mão de verba indenizatória...rs.