Olhar Direto

Quarta-feira, 17 de julho de 2024

Notícias | Política MT

Taxação do agro

Zeca Viana denuncia pagamento de propina para abafar CPI da sonegação; Wilson exige nomes

Foto: Maurício Barbant / ALMT

Zeca Viana denuncia pagamento de propina para abafar CPI da sonegação; Wilson exige nomes
Em defesa de um controle para a taxação do agronegócio, durante sessão na Assembleia Legislativa desta quarta-feira (14), o deputado estadual Zeca Viana (PDT) acusou alguns colegas parlamentares de terem recebido propina para 'abafar' casos de sonegação de grandes produtores rurais durante duas Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs). Integrante de uma destas investigações, o deputado Wilson Santos (PSDB) cobrou no plenário a divulgação dos nomes de quem teria recebido dinheiro.


Leia também
Botelho "enterra" pedido de afastamento contra Pedro Taques


Enquanto defendia a taxação apenas aos mega-empresários do agro, que segundo seu levantamento devem até R$ 3 bilhões ao Estado, Viana declarou que os colegas parlamentares que participaram da CPI da Renúncia e da Sonegação Fiscal, além da CPI das Cooperativas, receberam dinheiro para ‘abafar’ os números e proteger os mega-produtores.

“Tivemos duas CPIs aqui que foi o maior escândalo, onde os deputados recebiam dinheiro sim desta CPI para esconder os dados, fraudar os laudos, o relatório final para proteger um ou dois empresários do agro deste estado. A CPI da sonegação e a CPI das cooperativas era para ter descoberto isso, mas veio pressão de deputados, pressão de fora para que se abafasse a coisa, por que tem produtor por ai que deve mais de R$ 3 bilhões para o Estado, de sonegação. Não sei se é conluio com governadores, se é parceria, mas o pequeno e o médio não podem pagar por isso”, disparou o pedetista na tribuna.

Constrangido por ter participado como membro da CPI da Renúncia e da Sonegação Fiscal em 2016, o deputado Wilson Santos pediu um aparte e exigiu que Zeca Viana dissesse os nomes de quem teria recebido propina para beneficiar empresários durante a investigação.

“Fizemos aqui também uma CPI da qual eu participei. Ela foi presidida pelo nobre deputado José Carlos do Pátio que produziu um material substancioso e não sei se vossa excelência se refere a esta CPI que membros desta levaram vantagens pecuniárias, mas peço se vossa excelência pode citar os nomes dos deputados, por que eu me sinto em uma situação constrangedora por ter feito parte dela. Era eu, o José Carlos do Pátio, o Emanuel Pinheiro, o Max Russi e o deputado Gilmar Fabris. O senhor gostaria de citar quem levou esta vantagem financeira?” questionou o tucano.

Em resposta, Viana disse que não estava se referindo a Wilson Santos, mas garantiu que o colega tem conhecimento de quem foi beneficiado com propina e de como aconteceu o ato de corrupção durante o andamento da CPI. Ele também preferiu não expor os deputados, não citando nenhum nome.

“Eu não vou citar porque você sabe quem que levou, então não adianta nós jogarmos a sujeira para debaixo do tapete. Não estou falando em relação a sua pessoa, estou falando em relação as CPIs. O senhor sabe muito bem quem levou e como é que foi a situação para que não os fatos não se tornassem público os fatos dos grandes sonegadores. Isso são coisas que aconteceram”, finalizou.

As CPIs da Cooperativa e da Renúncia e Sonegação Fiscal investigaram a sonegação de empresas e cooperativas beneficiadas em programas de incentivos fiscais entre os anos de 2011 e 2014.
Entre no nosso canal do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui
 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet