Olhar Direto

Notícias / Cidades

Empresa estrangeira aposta no agronegócio e deve comandar aeroportos de MT leiloados pelo governo

Da Redação - Wesley Santiago

06 Mar 2019 - 14:55

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Empresa estrangeira aposta no agronegócio e deve comandar aeroportos de MT leiloados pelo governo
Uma empresa estrangeira deverá ficar responsável por comandar os aeroportos de Cuiabá, Sinop, Alta Floresta e Rondonópolis, que fazem parte do bloco Centro-Oeste do primeiro leilão de privatização do governo de Jair Bolsonaro, que acontecerá no dia 15 de março deste ano. Os terminais são apontados como os menos interessantes deste pacote, mas chamaram a atenção por conta do potencial visto no agronegócio. A informação foi divulgada pelo jornal Estado de S. Paulo.

Leia mais:
Empresas europeias e dos Estados Unidos ‘brigam’ para arrematar aeroportos de MT em leilão
 
Vistos como menos interessantes, os blocos do Centro-Oeste e Sudeste (Vitória e Macaé) não devem ficar sem propostos. Isso porque o perfil econômico da região, sendo o agronegócio em Mato Grosso, é visto como o principal atrativo para que as empresas optem por fazer uma oferta.
 
Como o Olhar Direto já havia adiantado, seis operadoras, que atuam na Europa e nos Estados Unidos, demonstraram interesse em arrematar os terminais de Mato Grosso. Ao todo, o investimento previsto chega à cifra de R$ 770 milhões e o prazo de concessão é de 30 anos.
 
Na lista de operadoras interessadas em disputar os terminais estão grandes empresas como a alemã Fraport, a francesa Vinci Airports, as investidoras norte-americana Aecom (representando Zurich- Suíça) e Pátria, bem como as brasileiras Socicam e SINART.
 
Segundo a superintendente aeroportuária da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra), Maksaila Moura Campos, a empresa ou investidor que arrematar os aeroportos mato-grossenses ficará responsável pela administração, ampliação, melhorias e demais investimentos nos terminais. “Apenas o controle aéreo estará a cargo da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero)”, explica ela.
 
Os quatro aeroportos de Mato Grosso apresentaram prospecção de quatro milhões de passageiros em cinco anos. Fora o Marechal Rondon, na região metropolitana de Cuiabá, que sozinho registrou um fluxo de três milhões de embarques e desembarques em 2018, os terminais menores também vêm contabilizando uma movimentação significativa de passageiros.
 
De acordo com uma fonte ouvida pela reportagem, a maior parte das ofertas deverá ser feita por grupos estrangeiros. Para ela, o fato de o governo ter retirado a exigência de a Infraero ser sócia nos aeroportos torna o leilão mais atraente para os investidores, que poderão operar os terminais de forma mais independente.
 
De acordo com Pablo Sorj, sócio do escritório de advocacia Mattos Filho, além de empresas estrangeiras que já atuam no Brasil, deverão aparecer algumas estreantes na disputa: “Há várias companhias que querem expandir os negócios para mercado com potencial de crescimento”.
 
O bloco do Nordeste – que inclui os terminais de Recife, Maceió, João Pessoa, Aracaju, Campina Grande e Juazeiro do Norte – será o mais demandado pela proximidade com a Europa e pelo já intenso fluxo de turistas na região. Uma fonte do mercado disse esperar até dez concorrentes para o bloco, que tem o aeroporto de Recife como principal chamariz.
 
Os 12 aeroportos, que respondem por 9,5% do mercado doméstico, devem render R$ 218 milhões de outorga mínima inicial para a União. Nos primeiros cinco anos, os vencedores terão de investir R$ 1,47 bilhão na melhoria dos terminais. 

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Sânzio
    07 Mar 2019 às 11:36

    José, algumas atividades não devem ser providas pelo Estado. Os entes públicos no Brasil, de fato, têm dificuldades de gestão, mas isso não decorre apenas da baixa eficiência. Decorre também das amarras legais e burocráticas, que muitas vezes o privado não precisa se sujeitar, o que trona este último mais ágil em sua gestão. Quanto ao comentário da Sra Daniele, o perfil de negócios em infraestrutura no Brasil ainda carece de recursos públicos, seja na forma de empréstimos por bancos de fomento/desenvolvimento, seja pela execução direta de obras. O ambiente de negócios em nosso país ainda não é capaz de atrair investidores que apliquem 100% de capital próprio em CAPEX.

  • Daniele
    06 Mar 2019 às 22:38

    Pra isso que serve os impostos no Brasil, faz obra pública, e depois nossos governantes as vende para a iniciativa privada. Incompetência administrativa.

  • José
    06 Mar 2019 às 21:40

    É uma vergonha, nem com todo dinheiro de aluguéis, taxas das empresas, impostos indecentes, milhares de passageiros circulando o Estado assim mesmo não tem capacidade para administrar de maneira decente. É uma vergonha, nem com dinheiro pingando toda hora conseguem.

Sitevip Internet