Olhar Direto

Segunda-feira, 24 de junho de 2019

Notícias / Cidades

Casarão do Centro Histórico começa a desabar; Iphan afirma que fez notificação

Da Redação - José Lucas Salvani

23 Abr 2019 - 18:43

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Casarão do Centro Histórico começa a desabar; Iphan afirma que fez notificação
A superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional em Mato Grosso (Iphan-MT), Amélia Hirata, afirmou as casas que desabaram no Centro Histórico de Cuiabá no último domingo (21) e final de janeiro de 2019 já teriam sido notificadas quanto aos riscos e irregularidades. A superintendente também alerta que as casas e monumentos tombados precisam de obras preventivas, não somente corretivas.

Leia mais:
Casarão antigo desaba após chuva em Cuiabá e bombeiros são acionados; veja fotos

Uma casa localizada na Rua Pedro Celestino, no Centro Norte, começou a desabar no dia 21, em razão de um roubo de telhas do local. Hirata explica que o acontecimento serve como um alerta de que não existe somente um problema de abandono da região e manutenção, mas também de segurança pública. Ela esclarece que não compete ao Iphan garantir a segurança do local, visto que sua função é promover a preservação, sendo necessária uma gestão compartilhada entre o Iphan, Município e Estado.

“Todo ano, no final e início, é aquele período de chuva e desespero: os imóveis desabam. As pessoas vêm atrás para saber o que aconteceu quando, na realidade, a gente já tinha feito uma ação de fiscalização antes. O proprietário não adotou providência nenhuma, chegou o período das chuvas e o imóvel, boa parte de terra crua, que não resiste a ação da água, desaba”.

Em entrevista ao Olhar Direto, Amélia Hirata conta que não somente as casas que desabaram recentemente foram notificadas antes, mas que, geralmente, todas as casas que cedem no Centro Histórico recebem o alerta ou até mesmo são multadas meses antes do desabamento acontecer.

O primeiro passo a ser dado quando se encontra alguma irregularidade é encontrar a pessoa responsável pelo imóvel - a procura se dá em parceria com a Prefeitura de Cuiabá e terceiros. Quando o proprietário do imóvel é localizado, o mesmo é notificado; em casos de danos já perceptíveis, é feito a autuação. Ainda há todo um rito processual que é acompanhado pelo Iphan, mas isto não é o necessário para impedir com que os imóveis pereçam.

“O Iphan vai até onde a gente pode atuar como instituição. Chega um momento em que a gente não pode [ir além] porque isso vai além daquilo que a instituição pode fazer. Seria realmente o municipio e estado agindo. A gente precisa de gestão compartilhada, uma gestão que infelizmente não existe de forma muito efetiva”.



“Mesmo que a gente faça a nossa rotina de fiscalização, isso não vai impedir que uma pessoa mal-intencionada invada o imóvel. A rotina tem um planejamento e acontece, mas não vai no sentido, por exemplo, de ter uma pessoa habitando e a gente retirá-la de lá. Até porque nós não temos esse poder”, esclarece.

Não somente o fato das casas terem sido alertadas quanto aos riscos de desabamento e irregularidades, Amélia esclarece que as obras feitas nestes locais devem ser de âmbito preventivo, não corretivo. “A preventiva é para a gente evitar que um dano ou patologia apareça, que permaneça no imóvel. Geralmente, o que acontece: a pessoa espera o problema aparecer para depois correr atrás da solução”.

A superintendente do Iphan pede ajuda da população para ajudar na preservação dos espaços tombados. “Nós recebemos muitas denúncias, então são sempre bem-vindas, mas não no sentido de prejudicar alguém, mas ser os olhos do Iphan também nessa atividade de fiscalização”, pede.

Atualmente a Superintendência do Iphan em Mato Grosso fica localizado na Rua Comandante Costa, 1554, Centro Sul. É previsto que a sede retorne ao local antigo, na Rua Sete de Setembro, até o final do ano. Tombada, a sede passa hoje por reformas de restauração.

Desabamentos nos últimos quatro meses

Os primeiros quatro meses de 2019 foram marcados por dois desabamentos no Centro Histórico de Cuiabá. No último domingo (21), uma casa localizada na Rua Pedro Celestino cedeu parcialmente sua fachada. Como mostram as imagens em nossa galeria abaixo, a entrada foi destruída e o telhado foi roubado. A edificação era ocupada pela Fundação Fé e Alegria.

Já na madrugada do dia 28 de janeiro, uma casa na rua Voluntário da Pátria, também no Centro Histórico, desabou. As fortes chuvas teriam causado o desabamento. De acordo com moradores da região ao Olhar Direto, há mais de um mês estavam tentando acionar as autoridade, alertando sobre o risco de desabamento do casarão.

9 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Marco jorge
    24 Abr 2019 às 16:56

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Ivanna
    24 Abr 2019 às 10:16

    As pessoas reclamam do IPHAN mas quando desaba tudo é p ele que correm p reclamar, como se ele tivesse o poder de reformar tudo. Pode público e proprietários desses casarões se omitem na responsabilidade que tem. E vai nossa história desabando junto com esses casarões.

  • Cuiabano
    24 Abr 2019 às 09:17

    Esse tal de IPHAN além de não servir pra nada, atrapalha.

  • Maria
    24 Abr 2019 às 07:31

    É preciso uma ação urgente do poder público Pra salvar o q resta do centro histórico de Cuiabá. Não podemos prescindir da nossa memória! Nos países europeus tem preservado qtos monumentos históricos até da antiguidade ... Pq aqui não se valoriza e conserva?

  • Maria
    24 Abr 2019 às 07:31

    É preciso uma ação urgente do poder público Pra salvar o q resta do centro histórico de Cuiabá. Não podemos prescindir da nossa memória! Nos países europeus tem preservado qtos monumentos históricos até da antiguidade ... Pq aqui não se valoriza e conserva?

  • marcelo pereira
    24 Abr 2019 às 06:57

    esse tal de iphan é uma desgraça o cine bandeirante esta caindo o dono do prédio tenta fazer algo mas esta barrados na burocracia deses incompetentes depois querem multar os proprietários do imóvel então deviam eles ser responsabilizados pelos degaste do tempo nesta construções históricas né

  • Chacal
    23 Abr 2019 às 21:28

    O correto e mais lógico, seria definir algumas construções histórias e preservá-las, manter casarões antigos que foram apenas residências, não tem sentido.

  • jose eduardo
    23 Abr 2019 às 21:17

    esse Iphan so serve pra atormentar a vida dos proprietários dos imóveis, que não podem fazer nada com seu bem e sofrem prejuízos

  • Clara
    23 Abr 2019 às 20:18

    Ahhhh então tá. Se o glorioso valoroso e diligente iphan notificou... então o imóvel não cairia. Decerto que uma notificação seguraria as paredes. O decreto de tombamento prevê quero iphan pode embargar, pode fazer a obra de emergência e cobrar do sujeito ... e o que ele faz?! Notifica. Então tá.

Sitevip Internet