Olhar Direto

Terça-feira, 19 de novembro de 2019

Notícias / Cidades

Contra corte de R$ 34 mi e Reforma da Previdência, UFMT adere à greve geral

Da Redação - Fabiana Mendes

09 Mai 2019 - 09:23

Foto: Rogério Florentino Pereira/OD

Contra corte de R$ 34 mi e Reforma da Previdência, UFMT adere à greve geral
Estudantes da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) aderiram ao movimento nacional e irão deflagrar uma greve geral na próxima quarta-feira (15), contra o corte no orçamento do Campus de R$ 34 milhões e a Reforma da Previdência. Um ato está previsto para acontecer na Praça Alencastro, às 14 horas.

Conforme noticiado pelo Olhar Direto, caso a medida proposta pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) não seja revista em até 60 dias, contratos de serviços básicos deixarão de ser honrados, a disciplina de Libras será aplicada na modalidade EAD (Ensino à Distância), o campus poderá também ficar sem luz e água e, por consequência, o Restaurante Universitário pode deixar de atender. 

Leia mais:
UFMT cancela eventos, fica sem água e luz e deve parar se corte de R$ 34 milhões não for revisto

A decisão pela greve geral foi tomada na última terça-feira (7), quando aconteceu uma reunião entre o Conselho de Entidades de Base (CEB), Centros e Diretórios Acadêmicos e o Diretório Central dos Estudantes da UFMT Cuiabá, que optaram por aderir à Greve Nacional da Educação convocada pelas entidades estudantis e sindicais, contra a Reforma da Previdência e contra os cortes no orçamento da educação pública.
 
O comunicado foi dado através de uma postagem na página do DCE. Uma nota também foi enviada à imprensa.  “O (des) governo federal ameaça a educação pública como um dos cercos para conseguir a aprovação da reforma da previdência, justificando, por meio de nota que “caso a reforma da previdência seja aprovada e as previsões de melhora da economia no segundo semestre se confirmem (os recursos seriam liberados), pois podem afetar as receitas e despesas da União”. Ou seja, na pratica é dizer que “se aprovar a reforma, podemos pensar em rever o orçamento da educação”. Claramente, trata-se de uma falsa promessa que está posta por meio de chantagem contra a mobilização das e dos estudantes e trabalhadores por seus direitos”, diz trecho da nota. 
 
O CEB está orientando o conjunto de Centros e Diretórios Acadêmicos a realizarem Assembleias de Curso para comunicar os estudantes do ato. Após o dia 15 de maio, existe a previsão de realização de um novo Conselho de Entidades de Base para definir um calendário de mobilizações em defesa da educação pública.

Bloqueio 

O Ministério da Educação comunicou no dia 30 de março o bloqueio de 30% na verba de todas instituições de ensino federais do país. O anúncio foi feito depois das reações críticas ao corte de verba de três universidades que foram palco de manifestações. São elas: Universidade de Brasília (UNB), Universidade Federal da Bahia (UFBA) e Universidade Federal Fluminense (UFF).

Em entrevista ao jornal Estado de S.Paulo, o ministro Abraham Weintraub comentou que "universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico e estiverem fazendo balbúrdia, terão verbas reduzidas”.

45 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Dudu
    11 Mai 2019 às 09:19

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Walter
    10 Mai 2019 às 16:18

    Gasto bilionário, retorno social zero. Greve todos os anos. Bom que fecha e economiza com energia elétrica, água e internet que nos pagadores de impostos temos que custear para filhos de papais com HB20 brancos (que ganharam ao fazer 18), Iphone8Plus, camiseta "GAP" ficarem no bem bom. Podem ficar até dezembro de greve, e de licença, não vai fazer falta.

  • Francisco
    10 Mai 2019 às 10:06

    Pode parar 1 ou até 10 anos, não vai fazer falta pois o que vcs tem formado ultimamente só serve pra servir vcs...

  • Cadê meu comentário? Que censura disfarçada é essa?
    10 Mai 2019 às 09:11

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • jose florencio
    10 Mai 2019 às 08:48

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • walter liz
    10 Mai 2019 às 08:27

    são especialistas em greve, pesquise os ultimos anos e vejam quantas greves fizeram, só agora que as coisas ficaram ruins, antes viviam no Paraiso, as greves que faziam eram só para gazetear trabalho e aula, mexeu no vespeiro que antes se achava intocavel, auditoria para conferir se esta tudo OK por la ou também só rolo.

  • AVANÇA LOGO MT
    10 Mai 2019 às 08:10

    TEM QUE DESCONTAR TODOS OS DIAS QUE NÃO TRABALHAREM, É MUITO RECURSO PARA RIQUINHOS ESTUDAREM DE GRAÇA ENQUANTO OS POBRES ESTÃO SEM VAGAS !

  • JUCABALA
    10 Mai 2019 às 07:48

    "Conhecereis a Milícia e a Milícia vos libertará" Bozo 12:10

  • Juca
    10 Mai 2019 às 07:45

    Agora sabemos para onde vai o dinheiro publico na educação. https://jornalggn.com.br/humor/mr-catra-e-dragon-ball-viram-tema-de-tcc-em-universidades-publicas-brasileiras/

  • Rafael
    10 Mai 2019 às 07:28

    Nenhuma novidade, difícil é ver a UFMT não estando de greve.

Sitevip Internet