Olhar Direto

Quinta-feira, 22 de outubro de 2020

Notícias / Política BR

Presidente do PSL confirma pressão em senadores; Selma deve sair do partido nos próximos dias

Da Redação - Carlos Gustavo Dorileo

10 Set 2019 - 15:23

Foto: Luis Macedo / Câmara dos Deputados

Presidente do PSL confirma pressão em senadores; Selma deve sair do partido nos próximos dias
O presidente nacional do PSL, deputado federal Luciano Bivar (PSL-PE), esclareceu que a pressão em cima dos senadores do partido para retirarem suas assinaturas do requerimento de criação da Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar o Poder Judiciário, batizada de CPI da Lava Toga, está partindo dele. A atitude é o principal motivo para a possível saída da senadora mato-grossense Selma Arruda da sigla.

Leia mais
Selma aponta "pressão" por recuo na CPI da Lava Toga como motivo para eventual saída do PSL


Nas redes sociais, Bivar confirmou que ele próprio solicitou as retiradas das assinaturas aos senadores do partido, alegando que uma possível investigação atrapalharia a harmonia entre os poderes, em um momento que o país passa por importantes reformas.

“Esclareço que foi por mim solicitada a retirada de assinaturas por entender que a instauração da mesma não agregaria harmonia dos poderes, especialmente neste momento em que o país passa por importantes reformas”, disse o deputado, garantindo que a articulação para as retiradas não partiram do também senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).

Em entrevista ao Olhar Direto nesta segunda-feira (9), a senadora Selma Arruda confirmou que a pressão feita pela Executiva Nacional é o principal motivo pelo seu descontentamento com o PSL. Ela também afirmou que não pretende retirar sua assinatura do requerimento da CPI, por ter vindo da magistratura e entender que existe uma necessidade de uma investigação dentro do Poder Judiciário para ‘limpar o país’.

“O próprio Luciano Bivar declarou que apoia a derrubada da CPI. Eu não posso deixar de me contrariar com isso, porque eu vim da magistratura. Sabemos que não tem outra forma de se limpar o país, se não a gente limpando tudo. Você não pode ver o que está de errado no Executivo, o que está de errado no Legislativo e não ver o que está errado no Judiciário. Então é uma coisa que eu não posso me voltar contra. Seria contra meus princípios. Não tenho como me voltar contra isso. O partido apoia esta intervenção e tenta pressionar para que retiremos as assinaturas. É por isso que estou pensando na possibilidade de não permanecer na sigla. Mas não por isso deixar de apoiar o presidente”, esclareceu a parlamentar.

Além de Selma, outros 25 senadores, incluindo Major Olimpio (PSL-SP) e Soraya Thronicke (PSL-MS) assinaram o requerimento e aguardam a assinatura de mais um senador para o presidente da casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP) dar início ao processo.

Desde o início do ano, o presidente do Senado já recebeu dois pedidos de abertura de CPI contra o poder Judiciário. Um deles foi arquivado. O outro foi judicializado e aguarda recurso. Já o terceiro, requerido pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) é focado no presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, que também é alvo de um pedido de impeachment.

 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet