Olhar Direto

Domingo, 20 de setembro de 2020

Notícias / Cidades

Coronéis afirmam que Pedro Taques deu ordem para destruir equipamentos dos grampos

Da Redação - Wesley Santiago

05 Nov 2019 - 07:15

Foto: Reprodução

Coronéis afirmam que Pedro Taques deu ordem para destruir equipamentos dos grampos
O ex-governador Pedro Taques (PSDB) foi quem deu a ordem para destruir os sistemas Wytron e Sentinela [equipamentos supostamente utilizados em interceptações ilegais]. As afirmações foram feitas pelo ex-comandante da Polícia Militar, coronel Zaqueu Barbosa, e o ex-chefe da Casa Militar, coronel Evandro Lesco, durante depoimento à força-tarefa da ‘grampolândia pantaneira’.

Leia mais:
Stringueta confirma delação de cabo e relato de envolvimento de membros do MP nos grampos
 
A delegada Ana Cristina Feldner, que recentemente voltou às investigações, confirmou ao Olhar Direto que os dois coronéis participaram de uma acareação na última segunda-feira (04). “Eles disseram que a ordem teria partido do então governador Pedro Taques”. Porém, ela fez questão de frisar que esta é a versão apontada pelos envolvidos, não sendo ainda a conclusão do inquérito.
 
Ana Cristina Feldner classifica como bastante exitosa a acareação feita na segunda-feira. Segundo ela, foi possível elucidar pontos controversos de depoimentos anteriores.
 
O ex-secretário de Estado de Justiça, coronel Airton Siqueira, foi outro a participar da acareação. Porém, ele preferiu permanecer em silêncio durante o seu depoimento.
 
Nos próximos dias, a força-tarefa também irá ouvir o ex-governador Pedro Taques, apontado como o líder do esquema de grampos ilegais. A data ainda não foi definida. Recentemente, o tucano se colocou à disposição para prestar os devidos esclarecimentos. Porém, a delegada avisou que ele seria ouvido no momento certo e não na hora em que ele desejasse.
 
Grampos
 
Reportagem do programa "Fantástico", da Rede Globo, revelou na noite de 14 de maio que a Polícia Militar em Mato Grosso “grampeou” de maneira irregular uma lista de pessoas que não eram investigadas por crime.
 
A matéria destacou como vítimas a deputada estadual Janaína Riva (PMDB), o advogado José do Patrocínio e o jornalista José Marcondes, conhecido como Muvuca. Eles são apenas alguns dos “monitorados”.
 
O esquema de “arapongagem” já havia vazado na imprensa local após o início da apuração de Fantástico.
 
Barriga de aluguel
 
Os grampos foram conseguidos na modalidade “barriga de aluguel”, quando investigadores solicitam à Justiça acesso aos telefonemas de determinadas pessoas envolvidas em crimes e no meio dos nomes inserem contatos de não investigados.

Outro lado

O governador Pedro Taques (PSDB) deve se posicionar ainda hoje sobre os depoimentos.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet