Olhar Direto

Sábado, 25 de janeiro de 2020

Notícias / Cidades

Saiba como está a transição do aeroporto de Cuiabá para a empresa que deve assumir em janeiro

Da Redação - Wesley Santiago

05 Nov 2019 - 10:00

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Saiba como está a transição do aeroporto de Cuiabá para a empresa que deve assumir em janeiro
A Centro-Oeste Airport (COA), empresa que assumirá a gestão do Aeroporto Internacional Marechal Rondon, localizado em Várzea Grande (região metropolitana de Cuiabá), continua a transição para assumir o comando do principal aeródromo de Mato Grosso. A expectativa é que a partir de janeiro tudo já esteja sob o controle da concessionária. No primeiro momento, as mudanças serão mais visuais e estruturais, conforme a assessoria de imprensa.

Leia mais:
Nova pista de pouso e decolagem deve ser construída em até três anos no aeroporto de Cuiabá
 
Funcionários já foram contratados e estão recebendo treinamento para atuar no aeroporto de Cuiabá. Os concursados da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) tiveram a oportunidade de escolher se querem ser remanejados para outros órgãos ou migrarem para a empresa privada. Outros colaboradores ainda deverão ser recrutados pela Centro-Oeste Airport.
 
Entre as principais mudanças neste primeiro momento estão questões estruturais e também visuais, para implantar a nova marca da concessionária. Banheiros, paredes, ar condicionado, entre outros, estão recebendo atenção especial, para que funcionem com toda a qualidade necessária.
 
A rede wifi grátis do aeroporto também ganhará reforço em sua banda, proporcionando assim uma melhor navegação para os usuários do terminal, que reclamam constantemente do serviço.
 
A empresa Socicam é a “cabeça” do consórcio, com 85% da participação na parceria. A Sinart ficou com outros 15%. Atualmente, a Socicam administra 10 aeroportos no país, sendo dois em Goiás, três em Minas Gerais, três na Bahia e mais dois no Ceará.
 
O Aeroeste iniciou o leilão com proposta de R$ 20,3 milhões e após disputa acirrada com o Consórcio Construcap-Agunsa, venceu a disputa com lance de R$ 40 milhões. O ágio chegou a 4.739,88%, o maior registrado no leilão de aeroportos ocorrido no dia 15 de março na B3, antiga Bolsa de Valores de São Paulo.
 
O Plano de Transferência Operacional (PTO) já foi encaminhado para a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que tem um prazo de 45 dias para validar o documento. A operação assistida dos aeroportos, ação que envolve a Infraero e as concessionárias, está prevista para depois do fim de novembro.
 
Dentre as melhorias que os operadores terão que implementar nos terminais a curto prazo estão, por exemplo, a melhoria da climatização, acesso à internet gratuita (wi-fi) nos terminais, adequação de banheiros e atualização de sinalização aeroportuária.
 
Durante os cinco primeiros anos de concessão, será investido R$ 386,7 milhões nos quatro aeroportos do Bloco Centro-Oeste. O investimento previsto ao longo das três décadas é de R$ 770 milhões. Com a concessão de 30 anos, é esperado que o número de passageiros ao ano triplique até 2049.
 
Os quatro aeroportos do Estado movimentam juntos cerca de 3,2 milhões de passageiros por ano, sendo que o maior fluxo é do Marechal Rondon, que em 2018 encerrou com movimentação de 3 milhões de embarques e desembarques. O aeroporto de Sinop recebe em média 150 mil passageiros ao ano, o de Alta Floresta 110 mil e de Rondonópolis 90 mil.
 
Nova pista
 
Outra novidade, que deve aparecer nos próximos anos, é a construção de uma nova pista no terminal de Cuiabá.
 
Conforme o projetado, a nova pista de pouso e decolagem será feita paralela à atual e terá 2.300m de comprimento por 45m de largura. Além disto, serão implantadas áreas de segurança (chamadas de RESA), nas duas cabeceiras. Com isto, a pista atual se transformará em uma taxiway.
 
Uma taxiway é utilizada para deslocamento em solo e/ou manobra de aeronaves, tendo como principal função oferecer ligações entre posições de estacionamento e pistas de pouso e decolagem. É fácil perceber uma: elas são sinalizadas, com linhas amarelas - traço único e contínuo demarca a linha central da trajetória, enquanto traços duplos paralelos definem as bordas da pista de taxi. À noite ou durante os dias de baixa visibilidade, é possível identificá-las ainda mais facilmente, pois suas bordas são balizadas com luzes azuis, distinguindo-as das luzes de uma pista de pouso e decolagem que são brancas, amarelas e vermelhas.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Sincerão
    06 Nov 2019 às 08:08

    Não é de Cuiabá xomano! pega inteligência. O Aeroporto é de VG.

  • Rafael silva
    05 Nov 2019 às 20:12

    Muito bom , a capital de Mato Grosso merece! Porem esta pista seria mais útil se fosse mais longa... pois para pousa internacionais de grandes aeronaves este comprimento não é suficiente! Devem pensar no futuro....

  • Jomax
    05 Nov 2019 às 15:12

    Viajei na madrugada do dia 24/09/19 e na área de embarque estava um forno. Ar condicionado desse aeroporto de Cuiabá é muito fraco. Sem as mínimas condições.

Sitevip Internet