Olhar Direto

Sexta-feira, 22 de novembro de 2019

Notícias / Cidades

Casal é preso por suspeita de aplicar golpe de mais de R$ 2 milhões na compra de gado

Da Redação - Fabiana Mendes

08 Nov 2019 - 11:05

Foto: Reprodução

Casal é preso por suspeita de aplicar golpe de mais de R$ 2 milhões na compra de gado
Um casal suspeito de aplicar golpe de mais de R$ 2 milhões na compra de cabeças de gado foi preso na quinta-feira (8), em Guarantã do Norte (a 709 quilômetros de Cuiabá). Evandro Teodoro de Andrade Filho, vulgo Vandinho, 52 anos, e Marcela Cristina Santana, 38 anos,  tiveram os mandados de prisões preventivas cumpridos na operação “Boi Voador”, da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf) de Barra do Garças.

Leia mais:
Polícia apura denúncia de aliciamento de quatro adolescentes em Cuiabá

Com base nas investigações foram expedidas pela 2ª Vara criminal de Barra do Garças as ordens de prisão pelo crime de estelionato. A operação recebeu o nome de “Boi Voador”, uma vez que a aquisição do gado era realizada com cheques sem fundo.

Durante as investigações, conduzidas pelo delegado Wilyney Santana Borges, foi evidenciado que Evandro, conhecido comprador de gado na região, após ganhar a confiança dos produtores, fez a aquisição de mais de 500 cabeças de bovino, em diversas propriedades da região do Araguaia, incluindo municípios vizinhos no estado de Goiás.

A compra era realizada com cheques pré-datados para 30 ou 60 dias, emitidos por Marcela e que não possuíam saldo para compensação. As rezes compradas pelos suspeitos eram embarcadas no ato do negócio, ocasião em que o produtor rural que vendia os animais retirava a GTA e a nota fiscal, colocando nos documentos que o gado seria transportado para arrendamentos rurais nos municípios de General Carneiro, Portal do Araguaia, Torixoréu, Baliza (GO) e Piranhas (GO).

Segundo o delegado, Wilyney, em vez de fazer o transporte dos animais, os suspeitos levavam o gado para venda em leilões da região, desfazendo dos animais antes que os cheques não fossem compensados pelo banco. “Sabendo que os valores não seriam pagos, os suspeitos transferiam os patrimônios que possuíam para terceiros, evitando possível execução cível na cobrança dos cheques sem fundos”, disse.

 A atuação do casal de estelionatários foi identificada em investigações da Derf Barra do Garças com apoio dos Núcleos de Inteligência das Regionais de Barra e de Guarantã do Norte, coordenadas pelos delegados Adilson Gonçalves de Macedo e Geraldo Gezoni Filho.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Olavo
    08 Nov 2019 às 18:59

    Quem disse Zeca, só quem tem amigo do amigo no STF, fora isso o mandado de prisão preventiva vai comer solto, voltamos ao normal, quem vai preso é p... p... p

  • Zeca
    08 Nov 2019 às 11:27

    Não pode mais prender. O STF não deixa! Tratem de liberar esses dois comerciantes o quando antes.

Sitevip Internet