Olhar Direto

Quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

Notícias / Cidades

Perito relata arma apontada para cabeça em homicídio de 'Maninho' e ocorrência com 'morto-vivo'

Da Redação - Fabiana Mendes

04 Jan 2020 - 08:16

Foto: Secom-MT

Perito relata arma apontada para cabeça em homicídio de 'Maninho' e ocorrência com 'morto-vivo'
Imagine ser acionado para atender uma ocorrência de homicídio e encontrar a 'vítima' somente descansando na rede ou então ter uma arma apontada para sua cabeça, enquanto está fazendo seu trabalho de auxiliar na elucidação de um crime. Essas duas situações aconteceram com o perito criminal Daniel Soares, ex-gerente de Mortes Violentas da Perícia Técnica de Mato Grosso (Politec), que hoje faz parte do Grupo de Atuação em Perícias Especiais (Gape).  

Em entrevista exclusiva ao Olhar Direto, Daniel lembrou algumas situações inusitadas da profissão. Graduado em Química, o perito é analista de manchas de sangue e membro da Associação Internacional de Analistas de Manchas de Sangue (IABPA), sendo o único especialista em Mato Grosso.

Leia mais:
Homem que enterrou namoradas em quintal era manipulador e fez jantar de despedida para ex

Segundo ele, em uma ocasião, foi acionado para atender uma ocorrência de homicídio em uma comunidade em Chapada dos Guimarães (a 64 quilômetros de Cuiabá), mas quando chegou ao local, o 'morto' na verdade estava vivo e balançando em uma rede.  
"Chegamos ao local para o qual fomos acionados e havia um indivíduo balançando em uma rede, então resolvemos perguntar para ele se sabia onde era a ocorrência de homicídio ali na região.  Ele começou a dar risada e falar que ninguém matou ele não", lembra.

"Ele só chegou muito bêbado de uma festa de santo e ao entrar na varanda de sua casa, tropeçou, caiu, bateu a cabeça, e por fim acabou dormindo por ali mesmo, no chão da varanda com a cabeça escorrendo sangue. Chegou até a apontar onde havia o sangue já seco e coagulado. Os vizinhos quando passaram, viram a cena e acionaram a polícia, achando que alguém havia o matado. Foi então que fomos acionados também", conta o perito.

Daniel pondera também que a profissão tem o 'outro lado da moeda', pois os profissionais atendem locais de crime e acabam sendo expostos a situações de risco como aconteceu no bairro Pedregal, em Cuiabá, quando atuava no homicídio de Enatel dos Santos Albernaz, 37 anos, conhecido como “Maninho”, morto em novembro de 2015.

"Uma vez eu estava atendendo uma ocorrência no Pedregal, os indivíduos que perpetraram o crime, retornaram ao local do fato e colocaram a arma na minha cabeça durante a realização dos exames", afirma.

Situação semelhante teria acontecido com uma colega de trabalho. "Outra vez, uma colega teve uma arma apontada para a sua cabeça por um bandido que queria roubar sua máquina fotográfica, durante a realização dos exames periciais".

Cenas surpreendem e chocam

No começo da profissão, Daniel conta que sentiu algumas dificuldades. "Principalmente nas cenas de crime envolvendo mortes violentas, as quais são cenas que muitas vezes nos surpreendem e chocam ao mesmo tempo, afinal como que um ser humano é capaz de fazer aquilo com outro ser humano?", questiona.

"E sendo sincero, existem alguns locais que eu atendo que eu sinto dificuldade até hoje, afinal nenhuma cena de crime é igual a outra ou até mesmo trivial. São muitos elementos que devem ser levantados e conectados, muitas perguntas a serem respondidas e grande parte delas, cabe ao perito responder, pois tem a ver com a materialidade do fato. Claro que com a experiência criam-se protocolos internos que garantem o levantamento bem detalhado da cena de crime, mesmo com as dificuldades", explica.

Um dos casos em que o trabalho pericial foi primordial ocorreu em maio deste ano, no bairro Nova Conquista, em Cuiabá, na busca pelos corpos de Talissa Oliveira Ormond, de 22 anos e Benildes Batista de Almeida, de 39 anos, ambas desaparecidas desde o ano de 2013. Elas foram mortas e enterradas no quintal da residência por Adilson Pinto Da Fonseca, de 48 anos, que mantinha relacionamento com as duas vítimas.



Foram dois dias de escavações dos servidores do Gape para localizar os restos mortais das vítimas. Uma das ossadas foi localizada a mais de um metro de profundidade perto da calçada, na lateral da casa. 

"A Perícia é um constante aprendizado e a para enfrentar cada uma das dificuldades que encontro no meu dia a dia, a cada nova ocorrência que atendo, primeiro eu faço o levantamento da forma mais completa e detalhada possível, com muitas fotos, muitas anotações, com busca minuciosas por vestígios, tudo com muita calma e zelo, para que não fique nada para trás, da forma que meus mentores me ensinaram e que os estudos aprimoraram, enfim tudo que a sociedade espera que o servidor público que está ali para a servir, faça por ela, aquilo que eu gostaria que fosse feito para mim, caso eu necessite desse tipo de serviço algum dia na minha vida".

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • ELIZANGELA FRANÇOISE DE PAULA AGUIAR
    05 Jan 2020 às 08:04

    MEU SONHO É SER PERITA CRIMINAL. QUE DEUS ME AJUDE A REALIZAR ESSE SONHO.

  • Celso
    04 Jan 2020 às 18:15

    Parabéns!!! Profissional digno, trabalha com ânimo, exemplo de servidor público, que outros espelhem!!!

  • Carol
    04 Jan 2020 às 16:56

    Muito bem pago pra isso. E a maioria faz mal feito. Esse cara pagou quanto para dar a entrevista?

  • Andre
    04 Jan 2020 às 15:16

    O cara é ponta firme, sem nutelices, espero que seja e continue assim.

  • Cidadão de bem
    04 Jan 2020 às 11:13

    Admiro e parabenizo os profissionais dessa área pela coragem e determinação para dar a sociedade as soluções dos crimes. Parabéns

  • T M P
    04 Jan 2020 às 08:50

    Um serviço/trabalho para qual o ser humano tem que ter o "estômago" muito, mas muito forte mesmo e uma "frieza"...

Sitevip Internet