Olhar Direto

Sábado, 22 de fevereiro de 2020

Notícias / Cidades

Professores marcam greve geral para aprovar Fundo da Educação Básica

Da Redação - Fabiana Mendes

20 Jan 2020 - 09:00

Foto: Rogério Florentino Pereira/OD

Professores marcam greve geral para aprovar Fundo da Educação Básica
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) convocou os professores das escolas municipais para uma mobilização com objetivo de aprovar o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) permanente e com mais recursos para a educação pública. O movimento de greve geral está previsto para acontecer no dia 18 de março.

Leia mais:
Prédio da Nilo Póvoas se transformará em centro de referência em educação inclusiva

O Fundeb, aprovado pela emenda constitucional nº 53/2006, expira esse ano. Segundo a Confederação, caso não seja renovado, mais de 3.500 municípios do país sofrerão graves retrocessos no financiamento da educação, o que compromete o atendimento escolar de milhares de estudantes.

Todos os estados equilibram o financiamento das matrículas da creche ao ensino médio através desse Fundo Contábil. Sendo que, para os municípios, ele é ainda mais vital, dado o acúmulo de matrículas assumidas por esses entes desde a vigência do Fundeb (1998).

A CNTE aponta que com o fim, ou a sua renovação em patamares inferiores ao necessário, sobretudo sem maior aporte financeiro da esfera federal, causará situações de verdadeira insolvência em muitas municipalidades. Razão pela qual está sendo convocada administração pública para aprovação urgente do novo Fundeb permanente.

A Confederação solicita que no dia 18 de março, as redes municipais liberem seus profissionais e/ou promovam conjuntamente com a comunidade escolar, atividades com o intuito de chamar a atenção da sociedade e das representações políticas federais para a necessidade de aprovar a Proposta de Emenda Constitucional nº 15/2015.

8 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Marta Ceni
    20 Jan 2020 às 16:18

    Euro subiu. Professor faz greve. Bozonaro peidou . Outra greve. Qualquer motivo esses servidores públicos inventam pra greve. Por isso sociedade não apoia mais. É um dos motivos porque professor não é mais respeitado.

  • Alemão
    20 Jan 2020 às 12:28

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Chico Bento
    20 Jan 2020 às 11:23

    Professores, que moral tem vocês para pedirem respeito? Vocês não respeitam o governo que lhes paga o salário, o contribuinte que para os impostos para isso, os pais dos alunos e os próprios alunos, pois vocês vivem fazendo greves, trabalham 11 meses por ano, recebem férias e 13.º Salários, aposentam cinco anos antes dos demais e a maioria ainda vive em licenças médicas e outras! Logo vocês é que devem respeito à sociedade e principalmente as crianças e jovens que não aprendem mais nada, devido ao caos na educação que vocês e os políticos de esquerda criaram.

  • HIPOCRISIA ESQUERDISTA
    20 Jan 2020 às 10:28

    É por isso que a Educação no Brasil ocupa as últimas posições, estes professores não tem compromisso com o ensino público, NÃO ví nenhum protesto sobre a aprovação do Fundo Eleitoral de 2 bilhões, que retira da Educação 320milhões e que foi aprovado pela bancada da ESQUERDA canalha!!

  • Nascimento
    20 Jan 2020 às 10:21

    Se é para melhorar a qualidade tem meu apoioi

  • Nascimento
    20 Jan 2020 às 10:21

    Se é para melhorar a qualidade tem meu apoioi

  • alexandre
    20 Jan 2020 às 09:55

    Tudo é motivo pra greve...

  • Kleber Venâncio
    20 Jan 2020 às 09:38

    Mauro Mendes, exonera esses professores. Só vivem de greve. Ganham bem. Não é serviço braçal. Aposentam com 25 anos. Terceirize educação governador. Sociedade estará do seu lado.