Olhar Direto

Notícias / Política MT

Relatório da CGE aponta que governo precisa enxugar carreiras e modificar progressões

Da Redação - Wesley Santiago

17 Fev 2020 - 14:05

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Relatório da CGE aponta que governo precisa enxugar carreiras e modificar progressões
Relatórios feitos pela Controladoria Geral do Estado (CGE) apontam a necessidade de o Governo do Estado reestruturar as carreiras existentes dentro de Mato Grosso. O enxugamento se faz necessário para que outros setores, que estão deficientes de servidores ou que terão pessoal se aposentando, sejam contemplados com a melhoria de serviços. O trabalho continua a ser realizado pelo Pasta.

Leia mais:
Auditorias da CGE geraram R$ 280 milhões de econômica em contratos
 
Conforme a Controladoria Geral do Estado (CGE), os dados apontaram a necessidade de reestruturação das carreiras do Poder Executivo Estadual, seja em razão de sua quantidade (97 cargos distribuídos em 27 carreiras) ou das discrepâncias e patamares remuneratórios de determinados cargos/carreiras que não refletem a complexidade e risco das atribuições correspondentes.
 
Além disto, a CGE pontua que o cenário não é exclusivo de Mato Grosso e que diversos entes já estabeleceram parâmetros que podem ser seguidos pelo Estado.
 
Dentre elas, o relatório cita: (i) enxugamento do quantitativo de cargos e carreiras , o que traz maior mobilidade e aproveitamento da força de trabalho; (ii) modificação dos critérios e prazos para progressão na carreira, diminuindo os gastos médios com pessoal ao longo do tempo; e (iii) aplicação das novas medidas apenas para novos ingressantes , o que tende a mitigar atritos ao longo do processo de reestruturação, garantir segurança jurídica à Administração (que poderia, de outro modo, sofrer reveses na esfera legislativa ou judicial) e, também por isso, garantir maior impacto, efetividade e previsibilidade às medidas a serem implementadas.
 
Além disto, o trabalho destacou que certas medidas específicas, como enxugamento de carreiras baseado em fusões ou desmembramentos de cargos, atingem necessariamente o quadro de servidores atual, sendo recomendado seguir o que já foi feito no Ministério Público da União e Tribunal de Contas da União, para que não ocorra nenhum obstáculo jurídico.
 
Já questões como ampliação de contratos temporários não é recomendado dentro da esfera estadual. Isso porque, se aplicados indiscriminadamente, especialmente em áreas de maior risco, pode acentuar gravemente os problemas identificados nesses pontos de controle.
 
“Destaca-se ainda o fato de que certas medidas, numa primeira consideração, podem aparentar possuir um potencial significativo de redução de gastos, porém, efetivamente, trazem impacto ínfimo ou nulo no curto prazo e impacto sensível (porém baixo) no médio e longo prazos”, aponta trecho do relatório.
 
O trabalho continua a ser desempenhado pela Controladoria. Este relatório é complemento de outro, que aponta a existência de demanda por contratações de pessoal em diversas áreas e setores, apesar do elevado grau de recursos comprometidos atualmente.
 
Identificou-se que o Executivo necessita reduzir o volume de recursos comprometidos com pessoal e, ao mesmo tempo, suprir áreas que atualmente demandam maior força de trabalho. “Assim, há também necessidade de preparação para uma considerável redução do quadro de servidores ativos dentro dos próximos anos, em decorrência de aposentadorias”, descreve outro trecho.
 
“Em vista disso, um dos objetivos prioritários do trabalho de auditoria consistirá em efetuar uma coleta e análise sistemáticas de dados e informações acerca do macroprocesso de gestão de pessoas do Poder Executivo Estadual, a fim de contribuir para a tomada de decisões estruturantes pelos gestores públicos que visem contribuir para a eficiência, efetividade e sustentabilidade financeira quanto ao emprego de recursos públicos na área de pessoal”, explica parte do primeiro relatório.

31 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Nilson
    19 Fev 2020 às 13:45

    Engraçado que só vêem problemas no executivo.

  • ANTONIO
    18 Fev 2020 às 16:27

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • ANTONIO
    18 Fev 2020 às 16:07

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • José Eduardo
    18 Fev 2020 às 16:01

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Celso
    18 Fev 2020 às 13:45

    Caros colegas, concordo com a maioria de vcs: que seja extinta a carreira de auditor do estado. Porque para fazer CTRL C e CTRL V de legislação (como estes "auditores" fazem), qualquer um analfabeto funcional faz! Aí, será possível pagar RGA para quem trabalha de verdade e gera receita para o estado de MT. Se houvesse seriedade neste Estado, não haveria V.I, carreiras que progredem de classe A para D após terminar estágio probatório, dentre outras prerrogativas dos "Auditores" do Estado de MT.

  • Marques
    18 Fev 2020 às 12:55

    Concordo, com a modificação na progressão de carreira dos Auditores e Gestores, os únicos que quebram o interticio e decolam da classe A para D.

  • Observador
    18 Fev 2020 às 12:43

    Gostei dos comentários nesta matéria. Pq ninguém vem a público dizer oq todos já sabem? Pq a mídia não publica uma matéria sobre salários, VIs e auxílios recebidos por juízes, deputados, auditores e promotores de MT? Fórum sindical, faça alguma coisa a respeito. Primeiro cortem os privilégios da elite, depois venham querer alterar salário de servidor que entrega serviços essenciais a população e recebe 1/10 do salário da casta.

  • Auxi
    18 Fev 2020 às 09:22

    Ok, vamos começar pela própria CGE, com a transparência nas verbas indenizatórias que a carreira recebe para comprar livros.... sociedade nao sabe disso né, e tb que a carreira de auditor é a unica que progride direto para D, recebendo mais de 30 mil reais em após 3 anos..

  • anjoscaidos
    18 Fev 2020 às 07:50

    E O QUE FIZERAM E REFIZERAM NA CGE? ACREDITAM QUE REMANEJARAM CARGOS PRA ACOMODAR alguns em CHEFIAS CRIADAS EM DETRIMENTO DE OUTROS? TIRARAM CARGOS DE QUEM TRABALHAVA E MAIS TINHA IMPACTO FINANCEIRO ? TIPO TIRAR DE "POBRES" E DAR PRA VAIDADE E ORGULHO DE UNS! QUE VERGONHA!

  • Flor
    18 Fev 2020 às 06:35

    Eu não sou funcionária pública mas fico passada como que vcs até hoje não tem voz ativa pra mudar essas regalias que reclamam acima, conforme os comentários q li! Vcs são o estado. Se unam e revertam essas mamatas! Será que a união não faria a força???? Essa CGE tem que acabar!!!

Sitevip Internet