Olhar Direto

Terça-feira, 07 de abril de 2020

Notícias / Cidades

Prefeitura cancela lançamento após empresário aparecer em evento e reivindicar área

Da Redação - Max Aguiar

17 Fev 2020 - 11:05

Foto: Rogério Florentino Pereira/ OD

Prefeitura cancela lançamento após empresário aparecer em evento e reivindicar área
O aparecimento de um suposto proprietário da área em que será construído o primeiro Hospital Veterinário Municipal fez com que a Prefeitura de Cuiabá suspendesse o lançamento das obras. O empresário Luiz Alberto Gebrim chegou ao evento com documentos que comprovam que a área é dele e à imprensa, ele fez acusações e disse que ainda hoje está entrando com um mandado de segurança.

Leia mais:
Prefeitura inicia processo de perfuração e fundação das estacas no viaduto da Beira Rio; fotos

"Quando a Prefeitura estava fazendo esse aterro, fui atrás do secretário de Obras e pedi para parar as obras. Não tive resposta. Estou entrando com um mandado de segurança para embargar tanto a obra quanto a posse", disse Gebrim, que ainda confirmou que em 2010 ele pagou R$ 1 milhão e hoje estaria valendo R$ 2,5 milhões.

Com a chegada do possível proprietário, o evento, que estava marcado para ter início às 09h, foi cancelado. O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), que estava a caminho da obra, acabou recuando e pediu que a Secretaria de Meio Ambiente fizesse uma varredura nos documentos do local.

O secretário adjunto de Meio Ambiente, Jackson Messias, chegou a confrontar o empresário dizendo que ele estaria querendo se aproveitar da oportunidade, pois o espaço pertence a prefeitura por ser uma antiga área verde do bairro Parque Cuiabá.

“Aqui é uma área da Prefeitura, a pessoa pagar IPTU não quer dizer q a área é dela. Aqui é uma área da Prefeitura, não vamos permitir que roubem a área pública de Cuiabá", disse o adjunto.

Para evitar qualquer confusão, o lançamento foi suspenso. “Para não ter atrito nenhum, vamos alterar a data do lançamento do hospital veterinário, vamos encaminhar documentação à justiça e pedir uma liminar de autenticidade da área”.

O terreno em questão fica às margens da rodovia Palmiro Paes de Barros, próximo ao cemitério Parque Bom Jesus, no bairro Parque Cuiabá. A obra do Hospital Veterinário Municipal é proveniente de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) do Supermercado Comper com o Executivo municipal. O valor da obra é R$700 mil e esse dinheiro todo será pago pela empresa privada.

14 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Cidadão de bem
    18 Fev 2020 às 19:58

    Estou sentindo vergonha pelos os assessores do prefeito, não viu ou vez vistas grossas com essa obra ou foi feito com pleno concordância majoritária para beneficiar alguém com vistas para seu interesse político. Esse é o verdadeiro gozar na minha cara e eu não fiz nada.

  • Amauri sebastiao da costa
    18 Fev 2020 às 18:34

    Essa adm Emanuel Pinheiro

  • RUBIA ANGERAMIS
    18 Fev 2020 às 10:08

    Igual cena de novela, esse prefeito vai ficar na história, depois do filme "O paletó, estréia "Quem pegou meu terreno". Brincadeira precisamos de pessoas sérias dirigindo nossa cidade e não de lançamentos de comédias trágicas.

  • luiz
    17 Fev 2020 às 16:22

    Então a prefeitura emite guia de IPTU para um terceiro numa área que é de sua propriedade ? Seria isto crime de estelionato, bagunça ou desorganização da prefeitura ?

  • JOSE CARLOS
    17 Fev 2020 às 15:48

    O único que conheço que paga IPTU mas não é dono, é o Luladrão.

  • Maria
    17 Fev 2020 às 15:43

    De acordo com o CTN Art. 34. Contribuinte do imposto é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil, ou o seu possuidor a qualquer título. Ou seja, qualquer pessoa pode pagar IPTU, de dono de barraco no morro, até invasor de área pública. Não se Confundam! O pagamento do carnê de IPTU pode ser usado para comprovar a posse do bem, em juízo, como por exemplo no caso de usucapião. Os documentos do "empresário" devem comprovar de que forma ele fez essa aquisição, (Já que JAMAIS vai usucapir terra pública) para verificar se o mesmo não foi vítima de uma das muitas fraudes cometidas sobre terras pertencentes ao público. Quem adquire um terreno por um valor tão generoso, deve também se resguardar, sobre estar comprando gato por lebre, ou grilo por terra. Muito Cuidado!

  • nelson
    17 Fev 2020 às 15:13

    se ele tem os documentos e paga IPTU, o terreno é dele, como a Prefeitura emite um carne de IPTU seno a area dela propria, eita bagunça danada

  • Marcelo
    17 Fev 2020 às 14:55

    Que dizer secretário , se eu pago IPTU do meu imóvel ele não é meu ? De quem será a área então??? Então todos pagam por paga IPTU já que área e da prefeitura!!!!

  • Moreira
    17 Fev 2020 às 14:05

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Gean
    17 Fev 2020 às 12:48

    Olha que um cidadão seecidor da Prefeitura diz, a pessoa pagar IPTU não quee dizer que é dela a área!!! Se emite o IPTU é porque esta regular, e autenticado pela própria Prefeitura, que tipo de servidor é este.

Sitevip Internet