Olhar Direto

Terça-feira, 22 de setembro de 2020

Notícias / Política MT

Medeiros compara calamidade à Copa e diz que única precaução tomada por Mauro foi tentar adiar eleição

Da Redação - Carlos Gustavo Dorileo

31 Mar 2020 - 17:05

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Medeiros compara calamidade à Copa e diz que única precaução tomada por Mauro foi tentar adiar eleição
Seguidor do presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido), o deputado federal e pré-candidato ao Senado José Medeiros (PODE) voltou a criticar o governador Mauro Mendes (DEM) e o decreto de calamidade assinado por ele na semana passada. Para o parlamentar, a medida irá gastar bilhões e não será suficiente para garantir o básico para o Estado.

Leia também
Anvisa libera uso da cloroquina em pacientes com Covid-19 e MT receberá 3500 comprimidos


Adepto das redes sociais, o deputado usou o Twitter para comparar a providência tomada pelo Governo do Estado às medidas tomadas na Copa do Mundo de 2014, que deixou obras inacabadas até hoje.

“Decreto de calamidade em todos os estados, escrevam ai, vão gastar bilhões e não vão comprar o básico (luvas, mascaras..etc) para os hospitais até o fim da epidemia. O estádio para a Copa em Mato Grosso até hoje não está terminado... Não vou nem falar do VLT e centros treinamentos”, disse.

Em outra publicação, o deputado disse que a única preocupação de Mauro Mendes durante a pandemia do coronavírus foi adiar a eleição suplementar do Senado, e pediu para que ele deixe o presidente trabalhar.



 
O governador, de fato, enviou ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT) um pedido para que a eleição suplementar ao Senado seja suspensa, no início do mês de março, quando o coronavírus ainda não tinha expandido.

O pedido, na época foi criticado pelos candidatos, que entenderam que o adiamento poderia beneficiar Carlos Fávaro (PSD), aliado do governador, que pode assumir a vaga da senadora cassada Selma Arruda (PODE) por conta de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

A solicitação, no entanto, foi indeferida pela ministra Rosa Weber, que semanas depois determinou a suspensão da realização da eleição.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet