Olhar Direto

Terça-feira, 26 de maio de 2020

Notícias / Política MT

Mauro volta a criticar ação de prefeitos e diz que Estado não será responsabilizado por efeitos de restrições

Da Redação - Érika Oliveira

06 Abr 2020 - 14:14

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Mauro volta a criticar ação de prefeitos e diz que Estado não será responsabilizado por efeitos de restrições
O governador Mauro Mendes (DEM) reafirmou nesta segunda-feira (06) que não pretende recorrer das decisões judiciais que derrubaram parte de seus decretos sobre o fechamento de estabelecimentos comerciais no Estado. As liminares, que atenderam a um mandado de segurança da Prefeitura de Cuiabá e a um pedido feito pelo procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges, em uma Ação Declaratória de Inconstitucionalidade (ADI) proposta na semana passada, dão autonomia para que os prefeitos decidam sobre a quarentena em seus respectivos municípios. 

Leia mais: 
- Estado não pretende recorrer de decisão judicial e comércio em Cuiabá permanecerá fechado 
- Liminar suspende dois artigos de decreto de Mauro com novas medidas contra o coronavírus 


“Nós estamos orientando o procedimento técnico que deveria ser tomado em Mato Grosso. É impensável imaginar que você possa adotar o mesmo procedimento do estado de São Paulo em Cuiabá ou até mesmo em cidades que não têm nenhum caso confirmado, muito menos casos suspeitos. O Governo do Estado deu uma orientação de como isso deve acontecer, porém, o MP e o TJ entenderam que isso é papel dos municípios. Então, a partir de agora, quem vai abrir ou fechar comércio ou qualquer atividade são os prefeitos. Se mantiver aberto, responsabilidade deles, se fechar, responsabilidade deles. Esse é o entendimento do MP e do TJ e o Governo não vai questionar”, declarou o governador. 

A primeira derrota de Mendes na Justiça ocorreu no dia 29 de março, quando o desembargador Orlando Perri, do Tribunal de Justiça, derrubou parte do decreto editado pelo governador Mauro Mendes (DEM) para restabelecer a abertura do comércio especificamente em Cuiabá. 

Na decisão, o desembargador considerou a possibilidade de "desastre" com o relaxamento das restrições contra o coronavírus, e possível incapacidade do Poder Público em atender a todos os que necessitarem da Saúde Pública.  

Na última sexta-feira (03), o mesmo desembargador, em nova decisão, estendeu a proibição de interferência do Estado nas ações dos demais municípios, no que diz respeito ao combate e a prevenção da Covid-19. Desta vez, Perri suspendeu os efeitos dos artigos 6º e 7º do Decreto nº 432/2020, baixado no dia 31 de março pelo governador. 

Neste caso, o Ministério Público havia questionado dois pontos relacionados ao novo decreto: a limitação da quarentena apenas a pessoas de um grupo de risco e o condicionamento da atuação dos municípios às normativas estabelecidas pelo governo estadual. 

Na nova decisão, Perri ressaltou que “há mesmo fortes evidências que referidos dispositivos invadem o âmbito de atuação dos  municípios, na medida em que acabam por condicionar a decretação da quarentena ao reconhecimento formal, por ato do secretário de Estado de Saúde, da confirmação de existência de transmissão local ou comunitária do coronavírus”. 
 
Enfatizou ainda que a decretação da quarentena pelos municípios não pode ficar subordinada a prévio reconhecimento, pela Secretaria Estadual de Saúde, da existência de transmissão local ou comunitária do coronavírus no âmbito de seu território,nem limitadas as medidas restritivas que podem adotar. 
 
De acordo com o desembargador, a decisão terá validade até a deliberação do Órgão Especial, com o término da vigência da Portaria-Conjunta nº249, de 18 de março, isto é, com o retorno do serviço interno presencial no Tribunal de Justiça de Mato Grosso. 
 

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Eita
    06 Abr 2020 às 21:17

    Mauro ta vacilando.

  • DELCIO JANKE
    06 Abr 2020 às 19:02

    Tentaram com a Amazônia em chamas, com a Marielle, com o porteiro do condomínio, com a avó da Michele, com a moça da banquinha de açaí, com o óleo venezuelano, com os palestinos, com o Queiroz, com a Joyce, com o Mácron, com o papa, com a China, com o Intercept, com os robôs do WhatsApp, com o Maia, com a Globo, com o Alcolumbre, com o STF, com a imprensa, com os governadores do nordeste, com o Witzel, com o Doria, com o Caiado, com o Centrão, com os filhos, com o Bebiano, com os militares, com o relacionamento desgastado com os ministros, com os milicianos, etc etc etc... Ou seja, a crise atual nada tem a ver com o COVID 19 e as estratégias para combatê-lo. Eles querem é derrubar o presidente pois com ele no poder Executivo ninguém mais consegue roubar o Brasil. Entendeu ou quer que desenhe? (Autoria desconhecida)

  • jackson
    06 Abr 2020 às 16:04

    Atenção empresários e empreendedores de todas as áreas nós devemos abrir os comércios e ver no que dá. O que não podemos e ficar na mão desses políticos irresponsáveis.

  • PROFESSORES ABANDONADOS
    06 Abr 2020 às 15:13

    ENQUANTO ISSO OS PROFESSORES SÃO ABANDONADOS PELO GOVERNO, A SEDUC SUSPENDE CONTRATOS E DEIXA MAIS DE 6 MIL PROFESSORES NA MISÉRIA, SEM SALÁRIOS, SEM EXPECTATIVA DE NADA. Vergonhoso

  • Dona
    06 Abr 2020 às 14:58

    Enquanto todos os empresários e a população estiverem só postando mensagens, nada mudará... passou da hora de agirmos....

  • arabe
    06 Abr 2020 às 14:44

    enquanto isso o povo que trabalha ,os informais e formais autonomos que se ferrem né poilitios?

  • arabe
    06 Abr 2020 às 14:25

    ditadores de um novo tempo ....mandatarios que nao possuem humanidade para com trabalhodores formais e informais ,estao recebendo tranquilamente em suas picinas

Sitevip Internet