Olhar Direto

Quarta-feira, 03 de junho de 2020

Notícias / Meio Ambiente

Estudo aponta que tolerância da amazônia com aquecimento global está chegando ao fim

Da Redação - Bruna Bom

23 Mai 2020 - 15:15

Foto: Ben Hur Marimon Junior

Estudo aponta que tolerância da amazônia com aquecimento global está chegando ao fim
Uma pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver. A tolerância das florestas tropicais com o aquecimento global está chegando ao fim, especialmente na Amazônia. Mesmo que o desmatamento e as queimadas cessem por completo a partir de amanhã, a elevação da temperatura média global — decorrente do acúmulo de gases do efeito estufa na atmosfera — poderá levar a um empobrecimento em massa desses biomas nas próximas décadas, segundo um estudo publicado na quinta-feira (21), na revista Science.

Leia mais:
Governo nega flexibilização e defende projeto que determina emissão de licença de piscicultores pela Sema

Segundo os pesquisadores, as florestas têm um limite de tolerância térmica de até 32 graus Celsius na temperatura ambiente. Acima disso, começam a perder biomassa, como se estivessem definhando; a mortalidade de árvores aumenta, e a taxa de crescimento da vegetação como um todo diminui. Ocorre assim uma inversão de funções: em vez de retirar e estocar dióxido de carbono (CO2) da atmosfera, a floresta passa a ser fonte de emissão de gases.

Só isso já seria extremamente preocupante para a manutenção dessas florestas a médio e longo prazo; mas o cenário imediato é ainda pior. Quando esse estresse térmico se soma aos efeitos do desmatamento, das queimadas e da fragmentação florestal, o resultado é o que alguns cientistas chamam de "tempestade perfeita"; uma combinação catastrófica de fatores, que ameaça dizimar grande parte da Amazônia e de outras florestas tropicais do planeta, num futuro não muito distante. 

O desmatamento acumulado nos primeiros quatro meses deste ano (1.200 km2) já é 55% maior do que no mesmo período de 2019, segundo dados de monitoramento por satélite do sistema DETER, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais.

"É a anatomia de um desastre se desenhando", diz o pesquisador Ben Hur Marimon Junior, da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), um dos vários autores brasileiros do trabalho, ao lado de Beatriz Marimon, sua mulher e também cientista da Unemat. "Cada aumento em graus Celsius acima do limite de 32 graus libera quatro vezes mais dióxido de carbono do que seria liberado abaixo do limite", explica Beatriz no texto de divulgação do estudo.

O trabalho é assinado por 225 pesquisadores ligados a três grandes redes de monitoramento de florestas tropicais na América do Sul (Rainfor), África (AfriTron) e Ásia (T-Forces), liderados por um grupo da Universidade de Leeds, na Inglaterra. Os resultados são baseados na observação de 670 mil árvores, ao longo de vários anos, em 24 países.

Essas florestas úmidas e repletas de vida, que formam um cinturão verde ao longo da linha do Equador, são uma peça fundamental dos modelos climáticos globais. As plantas absorvem dióxido de carbono (CO2) da atmosfera, via fotossíntese, e utilizam esse carbono como matéria-prima para construir sua biomassa de galhos, troncos, folhas e raízes. 

Quando uma árvore morre e sua biomassa se decompõe (ou é queimada), esse carbono volta para atmosfera. Cientistas estimam que o volume de carbono estocado em todas as florestas tropicais do mundo — considerando apenas as árvores — seja equivalente a 25 anos de emissões por queima de combustíveis fósseis. Do ponto de vista climático, portanto, queimar florestas é como queimar petróleo.

"Estamos sentindo os efeitos do aquecimento local, agravado pelo aquecimento global, que traz uma série de outras complicações", completa Marimon. Se essa situação persistir, diz ele — e tudo indica que persistirá, pois não há sinal de recuo nas mudanças climáticas —, "é certeza que vamos começar a perder florestas". 

Mesmo num cenário extremamente otimista, em que o mundo consiga limitar o aquecimento global a 2 graus acima da era pré-industrial, que é o limite considerado minimamente seguro pelos especialistas, cerca de 70% das florestas tropicais do mundo serão empurradas acima desse limiar de 32 graus nos meses mais quentes do ano, segundo os pesquisadores.

Esse aumento de temperatura resultaria, pelas estimativas do estudo, na emissão de 35 bilhões de toneladas de carbono para a atmosfera no longo prazo. Muitos fenômenos previstos pelo estudo em escala global já são visíveis no sul da Amazônia brasileira, onde a temperatura máxima, nos períodos mais quentes do ano, passa facilmente de 40 graus Celsius. Mesmo em áreas totalmente protegidas, livres de fogo e de motosserras, Marimon diz encontrar cada vez mais árvores quebradas, doentes e mortas. 

"Algumas árvores que a gente mede há mais de vinte anos, e que eram perfeitas, agora estão todas quebradas. Sem queimadas e sem desmatamento, só por conta da temperatura", relata ele. Seu grupo na Unemat monitora cerca de 45 mil árvores em 68 parcelas de floresta na zona de transição entre a Amazônia e o Cerrado, dentro de um Programa de Pesquisa Ecológica de Longa Duração (PELD), financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Uma das principais reações fisiológicas das árvores nessas condições de calor extremo é fechar seus estômatos — os "poros" na superfície das folhas, por onde as plantas trocam gases com a atmosfera — para reduzir a perda de água. Consequentemente, com os estômatos fechados, elas absorvem menos gás carbônico, fazem menos fotossíntese e crescem menos. Com o tempo, isso pode debilitar a saúde das árvores, tornando-as mais suscetíveis a morrer por diversos motivos. 

Outro fator preocupante associado ao desmatamento e às mudanças climáticas, que costuma acompanhar a elevação da temperatura, é a diminuição das chuvas e o aumento da ocorrência de secas. O estresse hídrico, então, se junta ao estresse térmico para agravar ainda mais a situação. A estiagem também aumenta a mortalidade de árvores e torna a floresta mais suscetível a queimadas, comprometendo sua resiliência a longo prazo.

E é nesse ponto que ocorre a inversão: em vez de retirar carbono da atmosfera, a floresta passa a ser uma fonte de emissão. "O carbono vai para a atmosfera e não volta mais, porque a capacidade de crescimento da floresta foi reduzida. Isso é muito crítico", diz o pesquisador Luiz Aragão, chefe da Divisão de Sensoriamento Remoto do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), também coautor do trabalho na Science. A Amazônia é especialmente suscetível a esse cenário, segundo ele, porque já é uma floresta naturalmente mais quente do que as da África e da Ásia, com temperatura média em torno de 27 graus. 

A melhor estratégia para minimizar esses impactos do aquecimento, segundo os pesquisadores, é eliminar os outros fatores de pressão sobre as florestas tropicais, acabando com o desmatamento e recuperando o máximo possível da cobertura vegetal e da biodiversidade que já foram perdidas. Quanto mais extensas, mais intactas e mais conectadas estiverem as florestas, maior será sua resiliência — ou seja, sua capacidade de resistir e se adaptar às mudanças climáticas que estão em curso.

"A estratégia de mitigação é manter a floresta em pé para manter o ciclo hidrológico funcionando", diz Aragão, lembrando que a água é o elemento mais básico de sobrevivência em qualquer situação. Vários estudos já demonstraram que o desmatamento aumenta a temperatura e reduz a precipitação em escala regional, exacerbando ainda mais os efeitos das mudanças climáticas globais.

"Temos que interromper imediatamente o desmatamento e investir pesado em reflorestamento, caso contrário vamos ter um colapso das florestas; o que vai desencadear um monte de outros problemas", diz o pesquisador Paulo Moutinho, do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam).

A tendência para este ano no Brasil, porém, é o oposto disso, segundo um estudo divulgado pelo Ipam no fim de abril. A área desmatada nos primeiros três meses deste ano já foi 51% maior do que no mesmo período de 2019, e há muitas áreas remanescentes de desmatamento do ano passado, que foram derrubadas mas que não chegaram a ser queimadas — graças à intervenção, ainda que tardia, do governo federal, que enviou as Forças Armadas para a região em agosto, após o escândalo internacional causado pelo aumento das queimadas e pela negação do problema pelo Palácio do Planalto. 

"O Exército interrompeu as queimadas, mas o desmatamento continuou a todo vapor", afirma Moutinho. "Tudo que não queimou no ano passado vai queimar agora, se não fizerem algo para impedir isso."

Além do problema ambiental e climático, há o impacto na saúde pública. As queimadas geram quantidades imensas de fumaça, carregada de material particulado, que invadem as cidades da região, causando vários problemas respiratórios nas populações locais. Com os hospitais já sobrecarregados pela pandemia do novo coronavírus, haverá um risco ainda maior de colapso dos sistemas públicos de saúde.

"É um cenário assustador de sinergia entre as pandemias de Covid-19 e de desmatamento", afirma Moutinho.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • João Namir de C. Mendonça
    24 Mai 2020 às 09:28

    Eita "pesquisa"....fala sério, esse site é afilado da Globo...? Também tá com a Síndrome de abstinência...?

  • manoel joao pinheiro da silva
    23 Mai 2020 às 22:30

    Temos que ter um olhar politico voltado para a amazonia, o descaso só leva a destruição. E é o que estamos vendo. Devemos fazer isso hoje, para que no futuro não sejamos considerados culpados. A natureza pede ajuda.Prof.manoelpinheiro é Mestre em Meio Ambiente.Preservação e Conservação da Biodiversidade do Pantanal.

  • Juscelino Alves Ferreira
    23 Mai 2020 às 16:33

    Boa tarde: Sou o Juscelino Alves Ferreira, hoje técnico em enfermagem no PS de Cuiabá, tenho 59 anos, mais entre meus 20 e 40 anos vive no meio rural. Fui escriturário, administrador, e sempre preocupado com nossas florestas, com nosso meio ambiente. Sempre fiz comentário pedindo a preservação! É mesmo preocupante o momento !

Sitevip Internet