Olhar Direto

Quinta-feira, 13 de agosto de 2020

Notícias / Política MT

Após perdas de mais de R$ 350 mi, MT passa por segunda onda de queda na arrecadação

Da Redação - Max Aguiar

06 Jul 2020 - 16:01

Foto: Rogério Florentino - Olhar Direto

Após perdas de mais de R$ 350 mi, MT passa por segunda onda de queda na arrecadação
O secretário de Fazenda de Mato Grosso, Rogério Gallo (DEM), avalia o momento de arrecadação do estado como de uma segunda onda de perdas, tendo em vista que quando o comércio voltava a trabalhar os números da pandemia da Covid-19 cresceram, e isso fez com que vários prefeitos decretassem novas medidas de isolamento. 

Leia mais:
Zé do Pátio afirma que a culpa por MT ter mais de 800 óbitos é do Estado e não de prefeitos

Segundo Gallo, em entrevista ao Jornal do Meio Dia, a receita do estado estava indo bem até o mês de março, depois despencou em abril e maio e, diante de um ensaio de retomada, houve novas quedas em meados de junho. 

"Agora começa a fragilizar. A gente já vem de uma recuperação das atividades econômicas. As empresas em junho começavam a faturar o mesmo que arrecadavam em janeiro e fevereiro. Mas Mato Grosso agora vive uma segunda onda. Em março tivemos a primeira onda de queda e agora estamos de novo. Por certo, isso está impactando nas atividades econômicas. 

Gallo confirmou que durante esse período de perdas, Mato Grosso deixou de receber em torno de R$ 350 milhões apenas do ICMS das empresas. Porém, a folha salarial continua em dia devido ao bom trabalho de economia feito pelo governador Mauro Mendes (DEM).

Além disso, como uma espécie de alternativa para fazer a economia voltar à ativa, o secretário, com parecer favorável do Palácio Paiaguás e das loterias federais, retornará com os sorteios da Nota Fiscal Eletrônica. Ao total, serão 10 até janeiro de 2021.
 
"Para estimular a arrecadação, o estado irá fazer dois sorteios esse mês da Nota Eletrônica. Precisamos fazer a economia girar. Todos sabem que o sorteio é com base na loteria federal. Além desses sorteios, que representam o mês de abril e maio, teremos mais 10 sorteios até o mês de janeiro", comentou. 

Por último, Gallo também respondeu sobre possível corte feito pela Secretaria de Fazenda em projetos aprovados pela Assembleia Legislativa. Segundo alguns deputados, a Casa de Leis aprova e a Sefaz veta. Na tribuna, há deputado que chamou Gallo de "Homem Tesoura", pois ele corta tudo que chega da ALMT. 

"Na verdade, a Assembleia aprova projetos com absoluta independência. Para ser aprovado pelo governador é necessário caber no bolso do estado e passar por um parecer técnico. Algumas não cabem e por isso é necessário controlar isso. Mas não queremos polemizar, porém respeitamos os projetos. No ponto de vista técnico temos que estudar os projetos. Primeiro a gente segue a orientação legal do projeto e depois do  governador", concluiu o secretário.

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Paulo Ribeiro
    07 Jul 2020 às 08:38

    Nunca estará bom!

  • TEDA
    07 Jul 2020 às 08:24

    DAQUI A POUCO VAI FALTAR DINHEIRO PRA PAGAR A VERBA INDENIZATÓRIA PRA OS DEPUTADOS 75 MIL POR CABEÇA

  • gilberto
    06 Jul 2020 às 20:03

    Corta os benefícios do legislativo e do judiciário, e os favores dos marajás do executivo que você freia legal essa onda!

  • josé de souza
    06 Jul 2020 às 19:37

    EU COMO CIDADÃO NÃO ACREDITO, ESTA FALATANDO DINHEIRO PARA PODER LEGISLATIVO, PARA O JUCIÁRIO, MPSMT.

  • Moacir
    06 Jul 2020 às 19:25

    Esse tem sempre o mesmo discurso. Fim de junho li no folhamax que o estado superou de arrecadação. ainda mais esse mês, meteram a faca no servidor. 14% dos salários pra eles nadarem.

  • alexandre
    06 Jul 2020 às 17:47

    Vai cortar duodécimos, de quem está em casa ?

  • Teka Almeida
    06 Jul 2020 às 16:54

    Falou o conhecedor de tudo e especialista em nada. Quem determina se houve queda na arrecadação é o impostrômetro e que por sinal sempre acusa elevação de receita. E larga de lorota, de FAKE NEWS a folha de pagamento está sendo paga no mes subsequênte não por competência de gestão, mais por alta de impostos ICMS no lombo dos contribuintes e comerciantes, por falta de cumprimento no compromisso de campanha de pagar os direitos. Estão a quase dois anos ocupando um DESGOVERNO que até agora não mostraram ao que veio. Mas aproveitem... o tempo está acabando.... TIC TAC... TIC TAC

Sitevip Internet