Olhar Direto

Quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

Notícias / Cidades

Governador diz que subiu valor pago por plantão, mas ainda tem dificuldade em contratar profissionais

Da Redação - Carlos Gustavo Dorileo

09 Jul 2020 - 17:50

Foto: Reprodução

Governador diz que subiu valor pago por plantão, mas ainda tem dificuldade em contratar profissionais
O Governo de Mato Grosso enviou nesta quinta-feira (9), um projeto de lei à Assembleia Legislativa que visa conceder adicional aos servidores da Saúde que atuam na linha de frente das unidades hospitalares que atendem casos de covid-19. A compensação só terá validade enquanto durar o estado de calamidade pública decorrente da pandemia. Aumentar o quadro de profissionais da saúde, aliás, tem sido uma grande dificuldade do governo. 

Leia também
Obrigado a entregar cestas básicas, professor diabético pega Covid-19 e luta para conseguir UTI

 
“Lamentavelmente, temos um grande problema no sistema de saúde, que é a falta de profissionais no mercado. Está faltando no Governo, nos hospitais privados, e estamos registrando uma perda de profissionais inclusive pela grande demanda e competição para contratação”, explicou o governador Mauro Mendes (DEM).
 
O chefe do Executivo também explicou que o sistema de saúde em Mato Grosso está com grande dificuldade de realizar contratações e que, por isso, é preciso “entrar nessa disputa de mercado para reter esses profissionais e mantê-los trabalhando nos hospitais públicos”.
 
“O nosso grande problema é a contratação de profissionais. O Governo está pagando mais caro, elevamos o preço, o salário, o plantão médico. Subimos e está em R$ 1.800 por 12 horas de trabalho de um médico, assim como subimos de outros profissionais que compõem as UTIs, para atender a população, que é o mínimo que a gente pode fazer”, disse.
 
Segundo o Governo, a remuneração de um Superintendente de Enfermagem - que coordena toda a equipe de enfermeiros que atendem casos de covid-19 em um hospital estadual - é de R$ 5 mil. O valor é inferior ao salário dos próprios enfermeiros que são coordenados por ele. Com a nova proposta, esse profissional receberia R$ 6.700.
 
“Essa mudança é válida e importante porque precisamos reconhecer o trabalho dos profissionais da Saúde não apenas no enfrentamento à pandemia, mas em todos contextos. Além de serem profissionais fundamentais para a linha de frente do combate ao coronavírus, tratam-se de pessoas que precisam ter o reconhecimento financeiro pelo que exercem e, sobretudo, pela responsabilidade que carregam. A gestão da Saúde entende que essa remuneração precisa ser mais justa”, declarou o secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo.
 
No mesmo projeto, também está previsto que os profissionais contratados da Saúde que contraírem a covid-19 possam receber do Estado os valores dos plantões durante o período de recuperação, ou seja, se nos últimos 14 dias antes de contrair a covid, o profissional fez 6 plantões, o Estado paga outros 6 plantões nos 14 dias em que ele estiver afastado.
 
“Tenho certeza que a Assembleia está sensível à esta situação delicada e irá tramitar o projeto de forma célere, garantindo a permanência desses profissionais nas nossas unidades de Saúde”, destacou Mendes.
 
No momento, há um edital aberto para a contratação de médicos, enfermeiros, psicólogos, fisioterapeutas, assistentes sociais, técnicos de enfermagem, técnicos de laboratório e maqueiros, para atender a demanda nos Hospitais Regionais de Alta Floresta, Cáceres, Colíder, Rondonópolis, Hospital Metropolitano e Hospital Estadual Santa Casa.
 
Além disso, outro edital foi aberto nesta semana visando a contratação de 24 médicos para atuar no Centro de Triagem e Diagnóstico da Covid-19, em Cuiabá, que começará a atender nos próximos dias. As inscrições podem ser feitas por meio do link: cadastro.mt.gov.br
 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet