Olhar Direto

Quarta-feira, 23 de setembro de 2020

Notícias / Cidades

Índice de infestação do Aedes aegypti diminui 95,5% em Sinop

Da Redação - Bruna Bom

05 Ago 2020 - 14:45

Foto: Reprodução

Índice de infestação do Aedes aegypti diminui 95,5% em Sinop
A Secretaria Municipal de Saúde de Sinop, por meio do Centro de Endemias realizou entre os dias 15 a 19 de junho o segundo Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa). Ao todo foram inspecionados 2.083 imóveis e capturadas dez amostras positivas do mosquito, obtendo assim um índice de infestação de 0,4 décimo de percentual, uma queda de 95.5% em relação ao último.

Leia mais:
Após mãe ser diagnosticada com Covid-19, bebê xavante morre logo após o parto


No primeiro levantamento, que foi realizado em janeiro, o índice estava em 9%. Diante disso, o setor realizou um grande mutirão de limpeza no recolhimento de potenciais criadouros, além das ações conjuntas com Corpo de Bombeiros, Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e Associação Comercial e Empresarial de Sinop (Aces), realizadas no quadrilátero central. Mais 60 colaboradores foram contratados para as ações.

Outra atividade desenvolvida foi o trabalho de recuperação de imóveis fechados, que contou com o apoio da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros, para visitar as residências aos sábados e fora do horário comercial, sempre com o objetivo de orientar os moradores e eliminar focos com acúmulo de água.

Durante a pandemia, foram intensificados os trabalhos contínuos em pontos estratégicos, bloqueios químicos mediante notificações, atendimentos de denúncias, inspeção em bocas de lobos e também as atividades educativas.

Segundo com o coordenador do Centro de Endemias, Jorge Bevilaqua, todas essas medidas contribuíram para a redução da presença do mosquito. Entretanto, é necessário que a população se mantenha alerta quanto ao risco oferecido pelas doenças transmitidas por meio do Aedes Aegypti.

“Sabemos que a redução se deve muito ao período de estiagem. Neste tempo obrigatoriamente temos uma queda 15% a 40% nos índices. Outro ponto que contribui é que por conta da pandemia nossos agentes não podem entrar nas residências e registrarem os focos ali existentes, como vasos de flores, ralos, goteira do ar condicionado, reservatórios de água atrás da geladeira e outros. Mas, mais de 50% da queda é sim devido a eficácia do trabalho pelas equipes de endemias e seus parceiros”, frisa o coordenador.

A diretora da Vigilância em Saúde, Theanny Salerno, pede que a população não deixe de cuidar das suas casas. “Não podemos nos acomodar. Nossas equipes continuam firmes nos trabalhos preventivos, mas é necessário que todos façam sua parte. Em Sinop, 90% dos pontos com foco de criadouros do Aedes situam-se nas residências e na seca os mosquitos migram dos quintais para dentro da casa do cidadão na busca por água parada, então o cuidado deve ser redobrado, porque ele pode estar escondido em locais menos prováveis”, alerta a diretora.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet