Olhar Direto

Segunda-feira, 26 de outubro de 2020

Notícias / Cidades

Médico relata desespero de mãe ao saber que Isabele estava morta :"o que vou fazer sem minha filha?"

Da Redação - Max Aguiar

07 Ago 2020 - 08:33

Foto: Rogério Florentino - Olhar Direto

Médico relata desespero de mãe ao saber que Isabele estava morta :
"O que eu vou fazer sem minha filha?". Essa teria sido a indagação de Patrícia Guimarães Ramos, mãe da adolescente Isabele Guimarães Ramos, 14 anos, morta com um tiro no rosto dentro do condomínio Alphaville, em Cuiabá, no dia 12 de julho. 

Leia mais:
Policiais civis que estiveram no Alphaville a pedido de Cestari são afastados dos cargos

O desespero da mãe aconteceu assim que ela chegou na casa de Marcelo Cestari. A declaração é do médico cirurgião vascular, Manoel Garibaldi Cavalcanti Mello Filho, que esteve na cena do fato no dia da tragédia. 

Ele estava em sua casa quando foi procurado por duas adolescentes o chamando para ir até a casa de Marcelo, pois elas precisavam de ajuda. "Tio, tio. Nos acuda! Socorro",  em seguida elas contaram: "Foi um tiro lá em casa", relatou o médico ao delegado Wagner Bassi Júnior, titular da Delegacia Especializada do Adolescente (DEA). 

O médico ainda contou que conhece Marcelo há três anos, pois ambos serviam a mesma loja maçônica, em Cuiabá. E que se encontrava com ele apenas em eventos esporádicos e em confraternizações. 

Manoel Garibaldi relatou ao delegado que assim que entrou na casa logo foi ao andar superior, onde estava o corpo de Isabele. Ele viu Marcelo fazendo massagem cardíaca e falando com o Samu por telefone. 

Depois disso o empresário se afastou e o médico conferiu o pulso e percebeu que a menina já estava morta. Após verificar que não havia mais fazer naquele local, ele desceu para a sala. Marcelo também desceu e contou que a arma não era dele, mas não falou de quem era. 

Nesse momento Patrícia chega ao local e Marcelo informa que Isabele estava morta. Nisso a mulher gritou: "O que eu vou fazer sem minha filha?". Marcelo pedia calma e falou ao médico Manoel Garibaldi fizesse o atendimento da mãe da vítima.

Manoel contou ao delegado que não fez isso, por que achava melhor a equipe do Samu fazer isso. 

O médico tambem revelou que não viu Patrícia perto de Marcelo durante a massagem cardíaca. "A massagem cardíaca aconteceu até o declarante chegar e que ele não viu a mãe de Isabele presente", relatou Garibaldi ao delegado. 

Posterior a isso o médico disse que voltou para casa a pé e não mais presenciou outras coisas do local. O depoimento dele aconteceu no dia 21 de julho na sede da DEA. 

O assassinato de Isabele continua sob investigação. A família espera saber o motivo do crime. Até então, a principal hipótese é de tiro acidental, sendo o disparo feito pela amiga de Isabele, filha de Marcelo, que é atiradora e estava indo guardar uma arma.

Segundo ela, a pistola caiu de um case e ao tentar colocalá-la novamente na caixa, houve o disparo. 

O tiro acertou o nariz da vítima e saiu na nuca. Em linha reta. Váriaos depoimentos já foram colhidos e o delegado deve encerrar o inquérito assim que os laudos ficarem prontos. Tanto o de necropsia, quanto o de balística e local de crime. 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet