Olhar Direto

Quinta-feira, 03 de dezembro de 2020

Notícias / Cidades

Ainda tímidas, chuvas reduzem poluição do ar em cidades de Mato Grosso

Da Redação - Wesley Santiago

24 Set 2020 - 14:45

Foto: Rogério Florentino Pereira/ OD

Ainda tímidas, chuvas reduzem poluição do ar em cidades de Mato Grosso
Levantamento divulgado pelo UOL, nesta quinta-feira (24), mostra que as chuvas que começaram a cair esta semana reduziram os incêndios e ajudaram a minimizar a poluição do ar em cidades de Mato Grosso, segundo medição de CO (monóxido de carbono) feita pelo Lapis (Laboratório de Análise e Processamentos de Imagens de Satélite), ligado à UFAL (Universidade Federal de Alagoas), com dados de satélite da NASA (agência espacial norte-americana).

Leia mais:
‘Não foi o governador que foi lá e colocou fogo’, diz Mauro sobre o Pantanal

O portal divulgado na semana passada que as queimadas causaram uma intensa poluição na região, alcançando índices superiores a 3.300% acima do máximo tolerável em algumas cidades do estado e de Rondônia e Acre.

"As condições meteorológicas melhoraram e acredito que até o fim do mês melhore um pouco mais. O problema é outubro, que está com cara parecida com setembro. Ainda existe perigo meteorológico, com as altas temperaturas e o vento; a vegetação seca propícia para incêndios florestais", alerta Humberto Barbosa, coordenador do Lapis.

Segundo o novo mapa de poluição do ar, na terça-feira (22), a cidade de Guatá (MT) registrou uma redução de de CO de 1.730 ppm (partes por milhão) para 562 ppm. O máximo aceitável de CO na atmosfera é de 50 partes por milhão.

Sinop (MT) também passou a respirar um ar menos poluído, com queda de índice de 1.335 ppm para 302 ppm. Já Cuiabá —que na semana passada foi coberta por fumaça)— teve queda no índice de mais de 50%: de 738 ppm para 315 ppm. 

Estados do Norte, como Rondônia e Acre, porém, seguem com taxas elevadas de poluição. Em Porto Velho, por exemplo, na terça-feira a poluição alcançou 549 ppm.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet