Olhar Direto

Terça-feira, 01 de dezembro de 2020

Notícias / Cidades

Professora de 55 anos morre vítima de doença rara em Mato Grosso

Da Redação - Wesley Santiago

28 Out 2020 - 14:00

Foto: Reprodução

Professora de 55 anos morre vítima de doença rara em Mato Grosso
Morreu na manhã da última terça-feira (27), em Barra do Garças (520 quilômetros de Cuiabá) a professora Ivanice Santos de Alcântara, de 55 anos, vítima de uma doença rara conhecida como ‘Síndrome de Guillain Barré’, que é um distúrbio autoimune, geralmente provocado por um processo infeccioso anterior.

Leia mais:
Vice-prefeita morre aos 48 anos vítima de doença rara em MT
 
Assim como é o comum na doença, a professora começou a perder o movimento do corpo, até que na manhã de terça-feira não resistiu e morreu no pronto-socorro da cidade, onde estava internada.
 
Ivanice lecionou por mais de vinte anos na escola Madre Marta Cerutti como pedagoga no Ensino Fundamental. Ela era natural de Baliza (GO), mas reside há mais de 23 anos em Barra do Garças.
 
O sepultamento da servidora pública aconteceu no fim da tarde da mesma terça-feira, no cemitério Nova Barra. Diversos amigos e familiares prestaram homenagens à ela.
 
Doença rara
 
A síndrome de Guillain Barré é um distúrbio autoimune, ou seja, o sistema imunológico do próprio corpo ataca parte do sistema nervoso, que são os nervos que conectam o cérebro com outras partes do corpo. É geralmente provocado por um processo infeccioso anterior e manifesta fraqueza muscular, com redução ou ausência de reflexos. Várias infecções têm sido associadas à Síndrome de Guillain Barré, sendo a infecção por Campylobacter, que causa diarréia, a mais comum.
 
A incidência anual é de 1-4 casos por 100.000 habitantes e pico entre 20 e 40 anos de idade.
 
Várias infecções têm sido associadas à Síndrome de Guillain Barré, sendo a infecção por Campylobacter, que causa diarréia, a mais comum. Outras infecções encontradas na literatura cientifica que podem desencadear essa doença incluem Zika, dengue, chikungunya, citomegalovírus, vírus Epstein-Barr, sarampo, vírus de influenza A, Mycoplasma pneumoniae, enterovirus D68, hepatite A, B, C, HIV, entre outros.
 
Muitos vírus e bactérias já foram associados temporalmente com o desenvolvimento da Síndrome de Guillain Barré, embora em geral seja difícil comprovar a verdadeira causalidade da doença. O diagnóstico é dado por meio da análise do líquido cefalorraquidiano (líquor) e exame eletrofisiológico.
 
A maioria dos pacientes percebe inicialmente a doença pela sensação de dormência ou queimação nas extremidades membros inferiores (pés e pernas) e, em seguida, superiores (mãos e braços). Dor neuropática lombar (nervos, medula da coluna ou no cérebro) ou nas pernas pode ser vista em pelo menos 50% dos casos. Fraqueza progressiva é o sinal mais perceptível ao paciente, ocorrendo geralmente nesta ordem: membros inferiores, braços, tronco, cabeça e pescoço.
 
Os sintomas principais da Síndrome de Guillain Barré são fraqueza muscular ascendente: começam pelas pernas, podendo, em seguida, progredir ou afetar o tronco, braços e face, com redução ou ausência de reflexos. A síndrome pode apresentar diferentes graus de agressividade, provocando leve fraqueza muscular em alguns pacientes ou casos de paralisia total dos quatro membros.
 
Aproximadamente 5% a 15% dos casos podem evoluir para óbito, geralmente resultante de insuficiência respiratória, pneumonia aspirativa, embolia pulmonar, arritimias cardíacas e sepse hospitalar.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet