Olhar Direto

Quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

Notícias / Política MT

Emanuel cita 'armação' liderada por Abílio e Mendes para desmontar o funcionalismo público

Da Redação - Arthur Santos da Silva

23 Nov 2020 - 12:15

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Emanuel cita 'armação' liderada por Abílio e Mendes para desmontar o funcionalismo público
Prefeito de Cuiabá e candidato à reeleição, Emanuel Pinheiro (MDB) afirmou que seu adversário no segundo turno, Abílio Junior (Podemos) montou uma aliança com objetivo de promover o desmonte do funcionalismo público na Capital.

Leia também 
Vereadora eleita e deputada do PT pedem voto ‘contra Abílio’ no segundo turno

 
No programa eleitoral exibido na televisão nesta segunda-feira (23), Emanuel trouxe declarações dadas por seu opositor dando conta de que, caso eleito, irá promover a demissão de três mil servidores do Município.
 
“Respeitar e defender os direitos dos servidores é uma obrigação moral de todo homem público. É o que tenho feito desde o início da minha vida pública. Hoje estamos vendo uma armação política, disfarçada de aliança, para demonstrar o funcionalismo público em Mato Grosso e em Cuiabá”, disse o prefeito.
 
Tal aliança é formada por Abílio Júnior (Podemos) e o governador Mauro Mendes (DEM). O democrata, quando prefeito da Capital, enfrentou três greves em áreas essenciais como Saúde e Educação.
 
Já a frente do Governo do Estado, Mendes fixou – por meio da reforma da Previdência – um desconto de 14% no salário dos aposentados. E, na pandemia, deixou mais de 10 mil professores sem salários.
 
Conforme propaganda eleitoral, na contramão dessas medidas, o prefeito Emanuel Pinheiro, mesmo com todas as crises econômicas no país, pagou o salário dos servidores em dia, com RGA integral e aumento real.
 
“Garantimos o plano de cargos, carreiras e salários de 11 categorias. Fizemos novos concursos públicos, como o da Educação, com mais de 2 mil vagas. Na pandemia, mantivemos os professores com contrato temporário. E, pela primeira vez na história, Cuiabá não teve nenhuma greve de servidores”, recordou ele.
 
“A população não foi penalizada e o servidor não precisou fazer greve porque sabe que comigo tem diálogo e respeito. Agora, precisamos avançar com novas conquistas”, emendou Emanuel.
 
O programa trouxe ainda depoimentos de sindicalistas, servidores públicos e populares que aprovam a continuidade da atual gestão.
 
“Não podemos deixar que um grupo contra as mulheres, contra as minorias, o grupo da intolerância possa querer desbancar avanços na sociedade cuiabana. O nosso adversário se transforma num bibelô, numa marionete dos interesses privados. Querem nos tirar a todo custo da prefeitura porque não somos meninos de recados, porque não somos marionetes, porque queremos o apoio do povo cuiabano. E queremos a população ao nosso lado”, concluiu o prefeito.
 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet