Olhar Direto

Domingo, 28 de fevereiro de 2021

Notícias / Política MT

Acusado de assédio, presidente do Indea pede exoneração do cargo

Da Redação - Isabela Mercuri

18 Jan 2021 - 15:09

Foto: Reprodução

Acusado de assédio, presidente do Indea pede exoneração do cargo
O agora ex-presidente do Indea Marcos Catão Dornelas Vilaça, que foi denunciado por uma ex-servidora de assédio sexual, pediu exoneração da presidência do órgão nesta segunda-feira (18). Ele, no entanto, continua como servidor efetivo. A informação foi confirmada pelo advogado de Catão, Francisco Faiad.

Leia também:
Manifestação pede afastamento do presidente do Indea e cobra transparência em investigação

Segundo Faiad, Catão já tinha tomado essa decisão, mas, como estava em viagem, esperou chegar a Cuiabá para pedir sua exoneração no Governo do Estado. Agora, ele responderá a um Processo Administrativo Disciplinar (PAD).

Catão se manifestou por meio de nota:

Para evitar maiores desgastes à instituição ao qual presto serviços há 27 anos, solicitei nesta segunda-feira (18.01) meu afastamento da presidência do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (INDEA-MT).

Dedicarei meus esforços em construir minha defesa e provar minha inocência em relação a esta situação levantada contra mim.


Confio nos órgãos de investigação e na Justiça, que certamente vão apurar e julgar os fatos de forma independente e imparcial.

O caso

Uma servidora do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT) acusou o presidente do órgão, Marcos Catão Dornelas Vilaca de assédio sexual. O caso aconteceu em novembro, mas só foi divulgado nesta semana. Segundo informações do boletim de ocorrência, ela pediu exoneração do cargo após o episódio sofrido.

O boletim de ocorrência foi registrado em novembro. Conforme relata no documento, a vítima trabalhava com o presidente, sendo necessário entrar diversas vezes em sua sala para servir café, mostrar o cardápio e outras atividades alheias. O assédio sexual aconteceu em um dos dias em que ela precisou entrar na sala para repor as garrafas d’água, quando ele passou a dar investidas verbais, realizando também ato obsceno.

Mesmo com a situação, a vítima foi trabalhar no dia seguinte, mas só tomou coragem para fazer uma denúncia após relatar ao seu pai o que aconteceu. Ele também a encorajou para pedir desligamento do Indea, como incentivou o registro do boletim de ocorrência para evitar que outras mulheres passassem pela mesma situação que ela.

Indignação

Após as denúncias, o governador Mauro Mendes (DEM) e o secretário  estadual de Desenvolvimento Econômico, Cesar Miranda, afirmaram que não poderiam exonerar o presidente antes que houvesse uma investigação.

Na manhã desta segunda-feira (18), um grupo realizou uma manifestação silenciosa em frente ao Palácio Paiaguás pedindo a exoneração do presidente. Para esta tarde, ficou agendada uma reunião sobre o assunto com o secretário da Casa Civil, Mauro Carvalho.


*Atualizada às 15h19.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet