Olhar Direto

Terça-feira, 22 de junho de 2021

Notícias | Cidades

Índice preocupante

Se fosse um país, MT seria a terceira nação com mais mortes de Covid-19 por milhão

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Se fosse um país, MT seria a terceira nação com mais mortes de Covid-19 por milhão
Se fosse um país, Mato Grosso ocuparia o 3º lugar no ranking internacional de países com maior número de mortes de Covid-19 por cada milhão de habitantes. O estado estaria acima inclusive dos Estados Unidos, que atualmente figura a 13º colocação. No cenário nacional, Mato Grosso está na terceira colocação, atrás apenas de Amazonas e Rondônia. 

Leia também:
MT notifica mais mortes por Covid-19 em 2021 que em 2020; Estado aponta delay de registros

Até às 12h desta terça-feira (20), Mato Grosso atingiu 2.556  mortes por milhão, segundo levantamento feito pelo Olhar Direto com base nos registros do Ministério da Saúde, que foram cruzados com a estimativa populacional do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A marca, faz com que o estado fique atrás apenas da líder do ranking mundial, República Tcheca, com 2.664 óbitos, e Hungria, com 2.627 decessos por milhão. O infográfico abaixo detalha a situação dos 15 países com o maior número de casos por milhão, comparando com o registro de Mato Grosso.
Made with Flourish

No ranking nacional, o estado fica atrás apenas do Amazonas, com 2.946 mortes por milhão, e Roraima, com 2.702. A fórmula do cálculo das mortes por milhão consiste na divisão do número de casos pelo número de habitantes e permite entender o quanto o coronavírus mata em relação ao tamanho da população.
Made with Flourish


Um dos estados que menos vacinou

Até às 14h desta terça-feira (20), Mato Grosso tinha vacinado 326.401 pessoas com a 1ª dose de uma das vacinas contra o novo coronavírus que foram distribuídos ao estado. Desse número, 115.525 receberam a 2ª dose, o que corresponde a 35,39 % dos que tomaram a 1ª dose. 

Em relação ao número de habitantes, a cobertura dos vacinados com a 1ª dose representa 9,25% da população mato-grossense. Quanto aos vacinados com as duas doses, o valor ainda está estacionado em 3,27%, conforme dados tabulados pela reportagem.

Proporcionalmente, esses dados fazem com que o estado ocupe a antepenúltima colocação no ranking de estados que mais vacinaram contra a Covid-19 no Brasil. A marca é registrada segundo dados da plataforma coronavirusbra1, que compila dados das secretarias estaduais de saúde e projeta a porcentagem da cobertura vacinal regional de todo o país.

Casos das úlltimas 24h e leitos de UTI

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde desta segunda-feira (19), 344.792 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 9.168 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado. Apenas nas últimas 24 horas foram 84 mortes pela doença, entre elas a de uma bebê de um ano de idade, de Campinápolis.

Conforme o boletim, foram notificadas 1.896 novas confirmações de casos de coronavírus no Estado. Dos 344.792 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 10.992 estão em isolamento domiciliar e 322.617 estão recuperados.

Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 514 internações em UTIs públicas e 458 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está em 95,90% para UTIs adulto e em 57% para enfermarias adulto.

Metodologia

O primeiro gráfico desta reportagem é composto por dados coletados sobre todos os estados do país do portal do Ministério da Saúde, às 12h desta terça-feira (20). O número de mortes por milhão foi calculado dividindo-se o número total de óbitos pela população estimada de cada unidade federativa, segundo a estimativa populacional de 2020 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O segundo gráfico utiliza o dado referente a Mato Grosso obtido no primeiro esquema e compara com os números de mortes por milhão de 15 outros países. Este dado, por sua vez, foi obtido através do Worldometer, plataforma internacional para acompanhamento da Covid-19 organizado pela Universidade de Oxford. 

Para acessar o documento da análise na integra clique aqui.
 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet