Olhar Direto

Sexta-feira, 23 de julho de 2021

Notícias | Cidades

SEM DADOS CIENTÍFICO

Secretário de Saúde tranquiliza a população e diz que primeira dose da Coronavac não perde eficácia se não aplicar a segunda

Foto: Rogério Florentino - OD

Secretário de Saúde tranquiliza a população e diz que primeira dose da Coronavac não perde eficácia se não aplicar a segunda
Ainda sem data para chegada de novas doses da Coravac para Mato Grosso e outros estados do país, o secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, tranquilizou a população que aguarda a segunda dose do imunizante e disse que não existe explicação cinetífica de que após um certo período, a primeira dose da vacina perde a eficácia contra a Covid-19. 

Leia mais:
Em plano B, Emanuel pede a Bolsonaro que Ministério da Saúde envie 290 mil doses da Janssen para vacinar povo cuiabano

O fato é que alguns municípios aguardam há quase dois meses novas doses da Corovac, que ficou um longo período sem ser produzida no Instutituo Butantam e acabou atrasando a complementação da imunização de diversos municípios. Em Mato Grosso, as cidades com maior defasagem, ou seja, com maior número de pessoas que aguardam a vacina é Cuiabá Rondonópolis. 

Em entrevista ao Olhar Direto na noite de quinta-feira (10), Gilberto Figueiredo disse que a vacina não perde a eficácia se não for aplicada em duas doses num período de 30 dias. "Não existe isso de perder a eficácia. Existe um prazo recomendável do que seria melhor, mas não existe dado científico que mostre que a distância de aplicação da segunda faz perder a eficácia da primeira dose. Mas a recomendação é que tão logo que a vacina esteja disponível que complete a imunização com a segunda dose. Existe uma resolução do Comitê que mostra a defasagem e os municípios de Cuiabá e Rondonópolis são os que mais possuem defasagem, essa resolução já foi aprovada e já está está no radar do Ministério", comentou o secretário.

Sobre a data de chegada de novas doses, Gilberto espera que seja o mais breve possível, pois o material para produção da vacina já está com o Instituto Butantam.

"Quando tiver doses disponíveis vai ter que só contemplar o plano que é a segunda dose. Não é só que falta Coronavac em Mato Grosso, falta do país inteiro. Nós temos dois pedidos extras com o Ministério da Saúde para suprir a demanda dos municípios que está faltando a segunda dose. Quero crer que talvez semana que vem o Butantam já tenha como fazer a distribuição de vacina. Já importou o material necessário para produzir, tem esse período, mas ainda não tem data prevista do Butantam nem aqui em Mato Grosso nem em outro estado", concluiu. 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet