Olhar Direto

Quinta-feira, 21 de outubro de 2021

Notícias | Cidades

período de alerta

Incêndio devasta 360 hectares de Terra Indígena no Pantanal mato-grossense

Foto: 2º Ten BM Thiago

Ilustração

Ilustração

Um incêndio de grandes proporções atingiu a Terra Indígena Baia do Guató, em Barão de Melgaço, a cerca de 110 quilômetros de Poconé, nesta segunda-feira (05). As áreas atingidas pelas chamas foram de aproximadamente 360 hectares ou cerca de 3,6 km, segundo satélites da Nasa que podem ser analisados pela plataforma Firms (traduzido do inglês para Sistema de Informação de Incêndio para Gerenciamento de Recursos).

Leia também:
Após ano de tragédia ambiental, poder público e privado se articulam para prevenir incêndios no Pantanal

Uma equipe da Base Descentralizada Bombeiro Militar de Cuiabá, que se encontra em Poconé, foi acionada para atuar na ocorrência no inicio da tarde e chegou ao local por volta das 18h. Por ser de difícil acesso por conta da área alagada, foi necessário sobrevoar a região com apoio de uma aeronave do Sesc Pantanal na manhã desta terça-feira (6). Na ocasião, os bombeiros verificaram que o fogo apagou sozinho por conta da umidade da vegetação. 
  
Devido a tragédia ocorrida no Pantanal em 2020, que consumiu mais de 1,7 milhão de hectares, Poconé passou a contar com uma unidade independente do Corpo de Bombeiros. Com investimento de R$ 2,6 milhões do Estado, a unidade é considerada estratégica e foi estruturada para atuar no monitoramento e prevenção aos incêndios florestais na região.
 
Mesmo com uma base que conta com carro do tipo auto bomba tanque florestal, com capacidade de 5.000 litros de água, no período de estiagem são enviados mais agentes para atuar nas ações através da Base Descentralizada Bombeiro Militar.

A Base é composta por quatro bombeiros militares, comandada por um oficial ou graduado. Atuam com o veículo equipado, exclusivamente nos municípios que apresentam unidades de Conservação Estadual com potencial de risco à incêndio florestal.
 
A Base Descentralizada realiza o monitoramento dos focos de calor registrados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) verificando se o foco monitorado é incêndio florestal e em caso de confirmação, inicia-se imediatamente o combate provendo a primeira resposta (nível 1), priorizando a preservação das Unidades de Conservação Estaduais.

Veja vídeo: 
 
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet