Olhar Direto

Domingo, 24 de outubro de 2021

Notícias | Cidades

EM CINCO MESES

Mato Grosso registra 65 crimes contra LGBTQIA+, sendo sete homicídios; veja dados

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Imagem ilustratitva

Imagem ilustratitva

Nos primeiros cinco meses deste ano, Mato Grosso registrou 65 crimes contra a comunidade LGBTQIA+. Deste total, sete são homicídios. Uma das vítimas se trata da mulher trans Alexandra Monteiro, no dia 7 de março, morta pelo marido e encontrada dentro do banheiro da própria casa.

Leia também:
Polícia prende homem que matou travesti; suspeito já estuprou a própria irmã

Segundo dados do Grupo Estadual De Combate Aos Crimes De Homofobia, vinculado à Secretaria De Estado De Segurança Pública (Sesp-MT), os registros de ocorrência de crimes de homofobia vêm crescendo.



Os relatórios dos últimos dez anos mostram que houve 857 boletins de ocorrência denunciado casos de homofobia. Já com relação ao registro de homicídios e outros crimes com mortes, foram 122 na última década. Sobre suicídios, foram dois em 2013, dois em 2016, sete em 2018, quatro em 2019 e em 2020. 



No dia 31 de abril, a Polícia Civil cumpriu o mandado de prisão contra Marcelo de Almeida Moura, suspeito de assassinar Alexandra Monteiro; O suspeito já estava detido na Cadeia Pública de Várzea Grande (Capão Grande) e tem passagens por tentativa de homicídio e por um estupro cometido contra a própria irmã.

O corpo dela foi encontrado em avançado estado de decomposição. A investigação preliminarmente já apontava Marcelo como principal suspeito da morte de sua companheira.

Polícia descobre e prende homem por matar por estrangulamento transexual |  Gazeta Digital
Alexandra foi morta por Marcelo. 

Conforme apurado pela Polícia Civil, Alexandra e Marcelo viviam um relacionamento conturbado. Dias antes de cometer o assassinato, Marcelo, que estava usando tornozeleira eletrônica por decisão judicial, rompeu o equipamento e ainda registrou boletim de ocorrências sobre o fato, alegando que foi obrigado a se desfazer do aparelho pela ameaça de cinco homens.

Depois de matar Alexandra, o suspeito levou o celular dela e fez uma postagem nas redes sociais da vítima, dizendo "#partiuRondonopolis", dando a entender que a vítima teria viajado. No entanto, Alexandra estava morta no banheiro de sua casa.

Além de poder registrar um boletim de ocorrência em qualquer delegacia de Mato Grosso, os casos de LGBTfobia podem ser denunciados pelos Disques 190 ou 197.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet