Olhar Direto

Terça-feira, 26 de outubro de 2021

Notícias | Cidades

Roubo a agências

Caminhonete utilizada por bando do ‘Novo Cangaço’ quebrou em meio a fuga; bandidos recebiam mantimentos

Foto: Reprodução

Caminhonete utilizada por bando do ‘Novo Cangaço’ quebrou em meio a fuga; bandidos recebiam mantimentos
O bando do ‘Novo Cangaço’ que roubou R$ 900 mil das agências do Sicoob e Sicredi, no município de Nova Bandeirantes (1.026 quilômetros de Cuiabá), no dia 04 de junho, teve um ‘imprevisto’ durante a fuga. A caminhonete utilizada por eles teve uma falha mecânica, o que fez com os que bandidos tivessem de seguir a pé até o acampamento montado no meio da mata. No grupo, existia uma rede de apoio, que levava inclusive mantimentos para os homens que estavam escondidos.

Leia mais:
Bandidos do ‘Novo Cangaço’ iriam dividir dinheiro roubado de agências em partes iguais após pagar despesas
 
Uma caminhonete utilizada para dar fuga aos 12 criminosos envolvidos no roubo foi apreendida na tarde de quarta-feira (14.07), pelas equipes da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) e Delegacia de Alta Floresta (803 km de Cuiabá).
 
A caminhonete Ford F-1000 apresentou defeito durante a fuga e foi localizada em uma madeireira em Alta Floresta. No esquema da fuga, o veículo foi posicionado após a ponte onde foi queimada uma caminhonete Toyota Hilux. De lá, os suspeitos partiram para o acampamento, porém ela teve uma falha mecânica e os ocupantes tiveram que descer e caminhar a pé até o ponto de apoio.
 
O motorista da caminhonete Romaro Batista de Oliveira, que morreu no confronto com a equipe do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) no dia 10 de junho, foi identificado como organizador e apoio logístico para fuga e extração do bando do acampamento.
 
Após a caminhonete apresentar a falha mecânica, o suspeito voltou para Alta Floresta e no dia seguinte contratou um guincho que deixou o veículo em uma oficina para arrumar. Quando o suspeito retornou ao acampamento com o comparsa Luiz Melek com novos mantimentos e para tentar fazer a primeira retirada de criminosos, ocorreu o confronto com a Polícia Militar.
 
A caminhonete ficou na oficina e quando o mecânico descobriu que pertencia ao grupo criminoso deixou-a em uma madeireira de Alta Floresta, onde foi realizada a apreensão do veículo, que encaminhado para a delegacia.

Divisão de dinheiro

Em depoimento à Polícia Civil, Salvador Santos Portela, 50 anos - preso no dia 09 de julho, pela Polícia Militar -, relatou que a promessa feita a ele por Diego Almeida Costa (um dos mortos em confronto com o Bope e responsável por recrutar o acusado) seria de dividir em partes iguais todo o montante conseguido do roubo.
 
Porém, deste total, ainda seriam descontadas as despesas provenientes de toda a preparação do crime. Ao todo, pelo que se sabe até o momento, a quadrilha teria pelo menos 16 integrantes.
 
No dia de sua prisão, Salvador confessou a participação no roubo e levou os policiais até seu esconderijo na mata. Com ele foram encontradas duas espingardas, munições, coletes balísticos, joias e a quantia de R$ 50.407,60.

Na última terça-feira (13), foram completados 40 dias da caçada pelos criminosos. Até o momento, foram nove mortos em confrontos, cinco presos e cerca de R$ 550 mil recuperados.
 
Os mortos são: Romário Oliveira Batista, Maciel Gomes de Oliveira, Luiz Miguel Melek, Waldeir Porto Costa, conhecido como Índio, Diego de Almeida Costa, Adailton Santos da Silva, Ronaldo Rodrigues de Souza e/ou Francisco de Assis Cavalcante dos Santos, conhecido como Galego, Cristiano de Jesus Nunes, de 28 anos, e Samuel Santos Silva, conhecido como Salvador, 44 anos.
 
Os presos são: Salvador Santos Portela, 50 anos, que teve a prisão convertida para preventiva, Edenicio Pereira Cavalcante, conhecido como Coroinha, que teve a prisão em flagrante convertida em preventiva, Josias Silveira, que teve a liberdade provisória com o uso de tornozeleira eletrônica, Franklis Souza de Jesus, conhecido como Frann, teve a prisão em flagrante convertida em preventiva e Valdecir de Salles Barboza, cuja prisão em flagrante foi convertida em preventiva.
 
O roubo as agências do Sicredi e Sicoob aconteceu no dia 4 de junho. Na porta do banco eles deixaram reféns sem camisa e com as mãos para cima, enquanto faziam o recolhimento do dinheiro. Para assustar e evitar a chegada dos policiais, eles dispararam vários tiros em frente à praça pública.
 
Todo ato é semelhante ao usado no estilo Novo Cangaço, que estava extinto em Mato Grosso desde 2013.
 
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook