Olhar Direto

Segunda-feira, 27 de setembro de 2021

Notícias | Cidades

Veja detalhes do depoimento

Bombeiro alega ter sido ameaçado e obrigado a transportar quase 300 quilos de cocaína em helicóptero

Foto: Reprodução

Bombeiro alega ter sido ameaçado e obrigado a transportar quase 300 quilos de cocaína em helicóptero
O terceiro sargento do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, Alberto Ribeiro Pinto Júnior, de 45 anos, preso na quarta-feira (04), após cair com um helicóptero contendo quase 300 quilos de cocaína, alegou ter sido obrigado a fazer o transporte da droga, após criminosos ameaçaram ele e sua esposa.

Leia mais:
Helicóptero carregado com 280 quilos de cocaína cai em MT; droga avaliada em quase R$ 7 milhões
 
Em depoimento ao delegado Maurício Maciel, o bombeiro confessou ser ele o piloto da aeronave e contou que presta serviços agrícolas com aeronave de asas rotativas, como pulverização e monitoramento. O bando teria contratado ele para seguir até uma fazenda em Maringá (PR).
 
Porém, ele afirma ter feito apenas um voo de 15 minutos na fazenda, tendo recebido R$ 7 mil para isto. Um dos homens então perguntou questionou que queria apenas ver se o interrogado conseguia tirar a aeronave de um local com muitos buracos.
 
Em certo dia, o integrante da organização criminosa ligou para o bombeiro, dizendo que ele faria o transporte da aeronave de Maringá até uma cidade de Mato Grosso ou Mato Grosso do Sul, da qual ele não se recorda o nome. Não havia plano de voo, já que a aeronave estava com os documentos vencidos.
 
Alberto relata ainda que ficou em uma fazenda, entre Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, onde foi informado que teria de buscar um “negócio” para os bandidos. Neste momento, o bombeiro disse que não queria fazer isto, pois era honesto.
 
Em tom de ameaça, um dos homens disse que ele já estava no local, sabia o que estava acontecendo e que não deixaria ele ir embora sabendo de tudo. Além disto, ameaçou ir atrás dele e de sua esposa, que mora em Nova Friburgo (RJ).
 
Os bandidos então pegaram o celular do bombeiro e o obrigaram a voar até Cambará (PR), em uma fazenda, onde ele e um dos criminosos pernoitaram. Na volta, foi informado que teria de voltar sozinho e viu a droga já carregada no helicóptero. Por nervosismo, ele disse que pousou a aeronave no caminho e, quando tentou decolar, tombou-a.
 
Depois do acidente, os comparsas mandaram mensagem e ele contou que tinha se acidentado. Os homens mandaram que ele levasse a droga toda para o mato. Porém, ele conta que não o fez, apesar de ter tido tempo para isto.
 
Alberto alega ainda não ter sido o responsável por colocar fogo na região e que foi encontrado por brigadistas, que deram água e guaraná ralado para ele. Depois de confessar que seria o piloto da aeronave que caiu na região, ele ainda teria oferecido propina aos bombeiros, que teria sido ‘bancada’ por um dos bandidos com o qual ele conversava por telefone.
 
O caso
 
O suspeito de 45 anos foi localizado e preso pela equipe do Corpo de Bombeiros que apagava um incêndio nas proximidades do local em que o helicóptero caiu, a aproximadamente 65 quilômetros da área urbana de Poconé. Ele foi conduzido à Delegacia de Poconé, onde foi interrogado e autuado em flagrante pelos crimes de incêndio em lavoura ou pastagem e corrupção ativa.
 
Ainda na noite de quarta-feira (04), foi decretada a prisão temporária do suspeito por envolvimento com o tráfico de entorpecentes, representada pela Polícia Federal, que apura o crime de tráfico de drogas relacionado a grande quantidade de cocaína apreendida no helicóptero que caiu.
 
“Era por volta das 21 horas, quando os policiais de Poconé estavam chegando com o suspeito no presídio de Chapada do Guimarães, e recebemos a notícia da expedição do mandado de prisão, relacionado as investigações da apreensão do entorpecente que estava no helicóptero que o suspeito pilotava”, disse o delegado Maurício Pereira Maciel.
 
A apreensão da droga ocorreu no domingo (01.08) em ação conjunta da Polícia Federal (PF), com o apoio do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer/MT) e o Grupo Especial de Segurança na Fronteira (Gefron/MT), de enfrentamento ao tráfico de drogas pelo modal aéreo.
 
Na ação, foi apreendida uma aeronave de asa rotativa modelo Robson 44 e aproximadamente 280 quilos de cocaína. O helicóptero carregado com a droga caiu no município de Poconé.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet